Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

J. Rentes de Carvalho

As motas de Gabriella

Gabriella é um pecado mortal. Entre os vinte e poucos e os trinta e tantos, comem-na os machos com os olhos, desejam-na as devotas de Safo, mesmo os rapazes adeptos do amor grego lhe fazem vénia, sorrindo a tanta beleza e elegância.

J. Rentes de Carvalho 30 de Julho de 2017 às 00:30

Sorriem-lhe também os idosos, que se voltam quando ela passa, recordando sonhos melancólicos, estroinices nunca vividas, desejos nunca satisfeitos.

Na nossa quieta rua de Amesterdão, não passa dia sem que à sua porta se vejam estafetas com grandes ramos de flores, ou a entregar caixas onde se adivinham luxos, perfumes, talvez daqueles bombons que custam um ordenado.

Vestida para a jardinagem, o desporto, festival rock ou evento de cerimónia, Gabriella é impecável no bom gosto, acrescentando sempre o pequeno toque que marca a distinção. Fora isso, é um mistério. Sorri muito, fala pouco, supõe-se que tenha nascido num desses países turbulentos dos Balcãs, pois o seu rosto tem algo de eslavo. Mas como fala à perfeição umas quantas línguas, há quem arrisque que nasceu na Hungria, terra de poliglotas. Tudo suposições. O que faz? Que rendas pagam o seu luxo? Para onde irá de férias? Tentam os vizinhos resolver essas e mais incógnitas, pois não se lhe conhece emprego, marido ou amante, e ora há semanas que desaparece, ora a vêem todos os dias a passear o cão. Não se sabe se está no Facebook, pois ninguém lhe conhece o nome de família ou pseudónimo, e junto da campainha da porta lê-se apenas Gabriella. Houve atrevidos que tentaram pescar envelopes na sua caixa do correio, mas em vão, porque ela a equipou com uma tampa extra que impede o acesso e não deixa ver o que lá cai.

Finalmente, uma tarde de Maio passado resolveu-se o caso. Havia ajuntamento e gente às janelas, carros da polícia com as luzes azuis a girar, basbaques a apontar os telemóveis. Altiva, elegante como quem vai a passeio, e mostrando o alegre sorriso de sempre, Gabriella apareceu à porta. Trazia as mãos algemadas, mas com um gesto largo dos braços acenou a todos um adeusinho e entrou num dos carros.

Soube-se depois que era o cérebro de uma quadrilha internacional de ladrões de automóveis, que nasceu na Bulgária e se doutorou em engenharia mecânica. Perdeu-a o fascínio pelas motas. A alguém tinha feito espécie vê-la conduzir uma Ducati Multistrada Enduro, depois uma Ducati Superbike, depois uma Ducati Panigale, depois… Na sua garagem encontraram sete Ducati de tipos diferentes. Todas roubadas, mas de que ela, por paixão, não se tinha querido separar.

antiga ortografia

Tempo contado Rentes de Carvalho
Ver comentários