Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Jerónimo Martins

Ontem já era...

Todos exigem a nossa presença e ação solidária.

Jerónimo Martins 19 de Setembro de 2015 às 00:30
Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar." Quem não recordará este verso do poema? Urge, então, dar-lhe vida. Hoje, a crise dos refugiados convoca-nos, por mais longe que julguemos estar, geográfica, religiosa ou culturalmente. Sejam do Magrebe, da África subsariana, do Médio Oriente ou do bairro vizinho, todos exigem a nossa presença e ação solidária. Para que possamos viver numa terra em que a dignidade da pessoa seja o húmus em que todos os direitos vão beber o seu fundamento. Não podemos permitir o que o arcebispo de Olinda e Recife, D. Hélder Câmara, referiu como o "escândalo dos infra-homens". Não, ontem já era muito tarde…

Ainda há esperança: sem distinção de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou outra, de origem nacional ou social, de fortuna, de nascimento ou de qualquer outra situação, como diz o artigo 2º da declaração Universal dos Direitos do Homem, demos corpo à civilização, lutando contra a barbárie. A Associação de Advogados sem Fronteiras de Língua Portuguesa (ADVSF) prestará, no âmbito da defesa dos Direitos Humanos, todo o apoio a quem da sua ação necessite.
opinião jerónimo martins refugiados
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)