Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

João de Sousa

Sócrates fingidor

Quando disse que os guardas tinham sido muito simpáticos, arrancou aqui gargalhadas. Chamava-lhes “animais sem educação”.

João de Sousa 27 de Dezembro de 2015 às 00:45
Pour épater les bourgeois" – Para estarrecer os burgueses. A expressão é francesa e tem que o ser, porque o nosso ex- -primeiro-ministro não se contenta com menos: tem sempre que ser "à grande e à francesa!" José Sócrates encaixa perfeitamente nesta expressão, pois tudo o que diz ou faz é para causar espanto e fazer-se notado. Na semana passada, em mais um exercício de pantomima televisionada, visitou os amigos que deixou para trás aqui em Évora. Começa logo aqui a representação, o gesto, a desonestidade intelectual de quem quer vender "banha da cobra": não foram amigos, foi o amigo.

Mas muito bem, acrescento eu. Um ato nobre, altruísta, que é reconhecedor de quem o apoiou. Está correto. Agora dizer que o gesto nada tem de política é algo que o "animal feroz" previsivelmente iria afirmar, como o fez, perante vários órgãos de comunicação social, conspurcando irremediavelmente o nobre gesto: já estava tudo previsto, programado, à semelhança das "manifestações espontâneas" de apoio que o José orquestrava a partir do interior do Estabelecimento Prisional de Évora, com o auxílio dos seus indefetíveis.

Mais uma vez o José arrancou gargalhadas aos que por aqui ficaram quando disse que os guardas tinham sido muito simpáticos. A mim, e a outros, quando os guardas chamavam o seu nome, gritando, dizia sempre com repulsa no olhar, nariz franzido expressando nojo: "Que animais! Não têm educação! Brutos!"

Não cumprimentava os guardas ao cruzar-se com eles de manhã, criticou as greves que fizeram, e, a cereja no topo do bolo, quando um guarda lhe solicitou que lavasse a cela, respondeu que o indivíduo não tinha nada a ver com a sua higiene, acrescentando que, se este escrevesse queixando-se, ele, Sócrates, escreveria porque sabia escrever melhor.

Vida na cela: DVD foram o pico de popularidade
O José foi estimado quando era "à grande e à francesa"

Estou a ser injusto com o nosso preso 44, que até teve os seu pico de popularidade aqui dentro: afinal, enquanto existiram DVD, "à grande e à francesa", o "Zezinho" era muito estimado entre os reclusos!

Em reclusão: Os guardas percebem quem é o José
Arrogante, jactante, agressivo, mal-educado, birrento...

Sejamos sérios: enquanto esteve preso aqui em Évora, durante dez meses, Sócrates foi arrogante, jactante, agressivo, mal-educado, e até fez birras. Afirmar agora que deixou aqui amigos e que foi bem tratado é pura mentira: os guardas foram-se apercebendo de quem era o José.

Fernando Pessoa caracteriza bem o nosso "Zezinho"

Quando me perguntam o que achei da visita de Sócrates aos "amigos" que diz ter deixado na prisão, respondo invocando Pessoa: "O Poeta é um fingidor, Finge tão completamente, Que chega a fingir que é dor, A dor que deveras sente." Assim é o nosso "Zezinho"!
José Sócrates Estabelecimento Prisional de Évora Fernando Pessoa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)