Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Carlos Martins

Enfermeiros nos incêndios

Findas as folgas sem descanso, voltaram às unidades de origem.

José Carlos Martins 22 de Junho de 2017 às 00:30
De alguma forma, mesmo à distância, todos nós sentimos e fomos profundamente tocados pela enorme tragédia e pelas diversas situações dramáticas vividas pelas populações das aldeias fustigadas pelos conhecidos incêndios.

Naquele dantesco quadro, é profundamente reconhecível, para além de todos os meios e recursos que se disponibilizaram para as necessárias respostas, a incansável disponibilidade e empenho dos profissionais de saúde na resposta às situações de emergência e de urgência que ocorriam, quer no designado teatro de operações, quer nos centros de saúde e hospitais da área.

Houve umas centenas de enfermeiros que, oriundos de várias instituições do país e nas suas folgas, se disponibilizaram para ajudar nas referidas respostas e se deslocaram para as diferentes instituições da zona afetada. Alguns destes trabalharam 24h/48h sem descansar na citada zona afetada.

Porque a legislação sobre ‘resposta a catástrofes’ não prevê e, diria, por alguma falta de sensibilidade das instituições de origem, alguns destes enfermeiros, findas as suas folgas utilizadas nas 24h/48h de trabalho sem descansar, tiveram de retomar os seus turnos programados nas instituições de origem. Importa refletir.
José Carlos Martins opinião
Ver comentários