Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Carlos Martins

Gestão de pessoas

Sindicato tem uma solução. Aguarda-se posição do ministério.

José Carlos Martins 28 de Abril de 2016 às 00:30
Dos 38 424 enfermeiros (dezembro de 2014), 82,7% são mulheres, 52,5% têm até 39 anos de idade (83% têm até 49 anos) e 67,2% trabalham por turnos. É uma profissão constituída por enfermeiras etariamente muito jovens, na fase de ‘constituir família e ter filhos’ menores.

Neste quadro, o legítimo e inalienável direito ao gozo de direitos inerentes à parentalidade (licenças, amamentação) e à flexibilidade de horário, sobretudo para acompanhamento de filhos até aos 12 anos (nomeadamente não fazer turnos), é muitas vezes condicionado e dificultado, o que não pode/deve acontecer. Por outro lado, o indispensável gozo destes direitos promove um problema gestionário: ‘ficam’, cada vez mais, menos enfermeiros para assegurar os vários turnos.

Por esta razão e devido ao corte, em 50%, do valor das ‘Horas de Qualidade’ (turnos), há milhares de enfermeiros dos hospitais que pretendem ir trabalhar para os Cuidados de Saúde Primários (CSP), por Concurso ou por Mobilidade. Utentes dos CSP, enfermeiros e gestão dos serviços hospitalares agradeciam. Contudo, os Concursos demoram anos e as Mobilidades são ‘trancadas’ – pelos hospitais devido à carência e/ou pelas ARS. Sindicato tem uma solução. Aguarda-se recetividade pelo Ministério da Saúde!
Cuidados de Saúde Primários CSP Ministério da Saúde saúde trabalho
Ver comentários