Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

José Diogo Quintela

Liberté, Égalité, Despe-té

Enquanto o ébrio enfia uma nota de 20 euros no cós da cueca, o Estado enfia uma multa.

José Diogo Quintela 27 de Agosto de 2016 às 01:45
Não consigo parar de pensar na fotografia da mulher obrigada a despir-se pela polícia francesa, numa praia de Nice. A França já era a pátria dos Direitos do Homem, agora é também a pátria dos Direitos do Homem que aprecia ver a Mulher sem roupa.

Este é mais um exemplo do atraso português face à modernidade que chega da Europa. Onde estão estes agentes desnudadores quando precisamos deles? Tantas vezes que desejei ter a força da lei para obrigar uma rapariga a tirar peças de roupa que eu considerava estarem a mais, só para ouvir, do outro lado, um desencorajador: "Caro Sr. Quintela, embora compreenda o seu problema, o 112 é um serviço de urgências sérias."

Apesar disso, sou contra a proibição de burkinis nas praias francesas. Para já, por imprecisão de linguagem. Nem aquele traje é vagamente parecido com um bikini, nem aqueles sítios à beira do Mediterrâneo podem ser considerados praias. Uma praia tem areia e ondas, não é um charco à beira de gravilha.

Depois, faz-me confusão ver o Estado a dirigir-se a mulheres em locais públicos da mesma forma que um ébrio se dirige a mulheres em bares de striptease. A única diferença é que, enquanto o ébrio enfia uma nota de 20 euros no cós da cueca, o Estado enfia uma multa.

No fundo, o que os franceses estão a dizer é: ‘Somos contra uma cultura que quer impor códigos de vestuário às pessoas, de maneira que vamos então impor um código de vestuário às pessoas’.

Se os muçulmanos obrigam as mulheres a andarem todas cobertas porque consideram que o vislumbre de um pedaço de carne é suficiente para perturbar a ordem pública, os franceses impedem as mulheres de usarem o burkini porque consideram que o vislumbre de indumentária relacionada com o Islão é suficiente para perturbar a ordem pública. São duas civilizações que levam a moda muito a sério.

Por outro lado, é curioso que sejam juízes, que trabalham vestidos com reposteiros, a decidirem que trajes são adequados. Um dos argumentos é o da higiene e segurança. Ora, dizer a uma mulher que espojar-se em cascalho e banhar-se em água suja com combustível de iate é mais limpo se for feito com menos roupa, é o mesmo que dizer que usar cinto de segurança é mais perigoso do que viajar agarrado ao tejadilho só com uma mão. Entretanto, vá lá, os franceses recuaram, acabando por fazer o que fazem melhor: renderem-se. Desta feita, à decência.

Mesmo assim, 444 anos depois do massacre dos huguenotes, o Estado francês voltou a patrocinar um momento de repressão religiosa no dia de São Bartolomeu. O que faz sentido: São Bartolomeu morreu esfolado e, no fundo, a França deseja obrigar muçulmanas a mudarem de pele.

Pode ser só uma coincidência, mas, se eu fosse um francês intolerante e supersticioso, tornava o 24 de Agosto o meu dia predilecto para jogar no Euromilhões.

Ter ou não ter, eis a intrusão
A partir de 2017, o Estado vai passar a ter acesso às contas bancárias de portugueses com mais de 50 mil euros no banco. Esta intrusão seria aberrante, não fosse o caso de, a continuar com esta governação, em 2017 só deverem existir dois ou três portugueses com contas de mais de 50 mil euros – sendo um deles Carlos Santos Silva. Portanto, trata-se de uma invasão de privacidade meramente académica.

Mais do que preocupado em que o Estado saiba quanto dinheiro eu meto em bancos, estou preocupado em saber quanto dinheiro o Estado mete em bancos. Mas isso ninguém diz.

Dinheiro deitado à caixa geraldina de depósitos
A questão do fim do sigilo bancário tem gradações. Por exemplo, 50 mil euros numa conta da Caixa Geral de Depósitos vão passar a valer, daqui a algum tempo, pouco mais que 50 euros. Trata-se de uma desvalorização normal no dinheiro depositado em bancos cujos administradores ainda andam na escola a aprender a ser banqueiros.

A Caixa está um tal bordel que vai mudar de nome: de Caixa Geral passa a Caixa Geraldina. E a expressão idiomática ‘dinheiro deitado à rua’ está prestes a ser substituída por ‘dinheiro deitado à Caixa’.

Um dicionário de sinónimos para o ‘DN’, sff
No ‘DN’ de ontem saiu uma notícia sobre a CGD titulada ‘Redução de mais de 2500 trabalhadores ‘não é viável’’. Nela, os jornalistas usam 11 vezes variações da palavra ‘cortes’, 3 vezes ‘saídas’, 4 vezes ‘reestruturação’, 3 vezes ‘redução’, 2 vezes ‘redimensionamento’ e uma vez ‘perdeu’.

Num texto sobre despedimentos, de 1059 palavras, conseguem falar tantas vezes em despedimentos sem usar uma única vez a palavra ‘despedimento’. Devem ser estupendos a jogar àquele jogo em que têm de descrever uma pessoa ou coisa sem a nomearem.

Mas tiveram uma ajuda: a única fonte citada é João Artur Lopes, presidente do Sindicato de Trabalhadores das Empresas da CGD, que nunca fala em despedimentos, só em cortes. Ora, um sindicalista eufemístico só consegue medrar com este Governo.

Ver comentários