Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

As partilhas de Herberto

Um homem tem de morrer para haver partilhas de poesia.

Leonardo Ralha 29 de Março de 2015 às 00:30
A semana foi triste para a poesia, com as mortes de Herberto Helder e Tomas Tranströmer. O sueco foi Nobel da Literatura em 2011, enquanto o português foi apenas um de dois candidatos indicados pelo PEN Clube em 2007. Nunca saberemos se faria a desfeita à Academia Sueca, como antes fizera ao júri do Prémio Pessoa.

À revelia da vontade de Herberto Helder decorreu a invasão das redes sociais pelos seus versos, após o anúncio do óbito. Suplantaram na terça-feira as fotos de gatos, vídeos insólitos e polémicas clubísticas e ideológicas, ainda que seja questionável se muitos tinham a obra do poeta na ponta da língua ou na janela de pesquisa do Google.

Em qualquer caso, é triste que um homem tenha de morrer para que haja partilhas de poesia no Facebook.
Herberto Helder Tomas Tranströmer Nobel Literatura PEN Clube Academia Sueca Prémio Pessoa Facebook
Ver comentários