Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonardo Ralha

Marcante Caniço

A morte de Nuno Melo, a quem o cancro do fígado não deu hipótese, não foi surpresa para quem viu a fúria com que a doença o atacou.

Leonardo Ralha 10 de Junho de 2015 às 00:30
A morte de Nuno Melo, a quem o cancro do fígado não deu hipótese, não foi surpresa para quem viu a fúria com que a doença o atacou, restando a ténue esperança do transplante. Perdeu-se um bom ator, com apenas 55 anos, senhor de um talento que resistia ao excesso – ou que dele se alimentava.

Olhando para mais de 30 anos de carreira, saltam à vista as muitas comédias que Nuno fez, mostrando ser capaz de brincar com a sua imagem de homem perigoso, de quem tudo era expectável.

Tamanha intensidade ficou patente numa personagem marcante: o contrabandista Caniço, secundário com rasgo de protagonista em ‘Chuva na Areia’, a telenovela que a RTP estreou no já distante 1985.

Da adaptação do livro de Sttau Monteiro – criticada pelo ritmo lento dos episódios e pelo recurso ao calão –, que mostrava o impacto dos anos 60 numa vila costeira, onde ainda existia PIDE mas já havia estrangeiros à procura de sexo, ficou a brutal castração do Caniço, envolvido com um dos dois alemães que queriam modernizar a fictícia Vila Nova da Galé.

Vítima colateral do progresso, o Caniço garante que Nuno Melo não será apagado. Por muita chuva que caia na areia.
Marcante Caniço morte Nuno Melo ator
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)