Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Leonor Pinhão

Camisola bordada a diamantes

Os olhos da águia são duas pérolas Van Cleef and Arples.

Leonor Pinhão 10 de Outubro de 2015 às 00:30
O valor da camisola do Benfica oferecida aos árbitros que visitam o Estádio da Luz e o complexo do Seixal é difícil de quantificar como se depreende pelas classificações da equipa principal e da equipa B nos campeonatos que, respetivamente, disputaram em 2014/2015.
Para os árbitros que na última temporada receberam a camisola do Benfica no Seixal, o objeto em si, por muito que os impressionasse, não valia um caracol. E, assim, se explica à luz das filosofias modernas a medíocre classificação final da equipa B do Benfica: um pobre 6º lugar, a 4 pontos de distância do campeão, o Tondela.

O Tondela, diga-se de passagem, que só festejou o título da II Liga porque oferecia a todos os árbitros uma fotografia a cores do seu então futuro ex-treinador, Vítor Paneira, impecavelmente equipado à Benfica e em fulminante ação no inesquecível dérbi de 1994 que terminou com a vitória do Benfica por 6-3.

Já a camisola do Benfica oferecida, na última época, aos árbitros que visitaram o Estádio da Luz viria a revelar-se, gostassem ou não os árbitros da linda cor, um verdadeiro e capitalizável tesouro, visto que a equipa principal do clube acabaria por se sagrar campeã graças às camisolas do passado e não às do presente.

Na verdade, a camisola para os árbitros da equipa B era confecionada em nylon barato numa fábrica na China. Uma grande porcaria que encolhia à primeira lavagem. E do mesmo material deve continuar a ser. Basta atentar na paupérrima classificação da equipa B do Benfica na II Liga.

Enquanto isso, a camisola para os árbitros da equipa A continua a valer uma fortuna. Toda cosida à mão, pelo nosso grande costureiro Nico Gaitán, em fio de seda da China sobre linho da Nova Zelândia. Como se não bastasse tanta riqueza em pano, dispõe ainda de um conjunto de diamantes do mais alto quilate bordados ao redor do emblema e também da gola e dos punhos. Acresce que os olhos da águia são duas pérolas da casa Van Cleef and Arples. Posto isto, não se compreende como é que o Benfica segue atrás do Porto e do Sporting na classificação. O próximo dérbi servirá, certamente, para o Ministério Público chegar a uma conclusão.

Outras histórias 
Honra ao Atlético Clube Cucujães
Foi uma semana de glória para o Cucujães. O grande Atlético Clube Cucujães, da vila de Cucujães, no concelho de Oliveira de Azeméis. Fundado no ano já distante de 1922, provou ser o melhor clube português da atualidade no campeonato do humor inteligente e, mais difícil ainda nos tempos que correm, o clube mais capacitado de Portugal na arte de lidar elegantemente com a arruaça. Reduzido à insignificância pela verve do presidente em exercício do Sporting, que o sugeriu como purgatório do seu ex-fabuloso jogador Carrillo, o Cucujães não se ficou. Publicou no seu site oficial uma imagem do mesmo Carrillo equipado à Cucujães, ao que acrescentou as palavras do presidente do clube, o senhor Cavaleiro, que, muito simplesmente, rematou: "Não sei se o Carrillo tira o lugar ao nosso Rogerinho", sendo que o dito Rogerinho é o extremo da equipa da AF Aveiro. Se pensarmos que o Cucujães não deve gastar uma fortuna em agências de comunicação, mais devemos aplaudir a criatividade dos seus responsáveis.   

Sobe e Desce
Sobe: 
José Mourinho - Já vai em 50 milhões
Todos os dias sobe um bocadinho o montante da indemnização que o Chelsea terá de pagar se resolver despedir o seu treinador.

Eduardo Barroso - E viva a República!  
A um membro de uma das mais ilustres famílias do País subiu-lhe a vontade súbita de vincar a ética republicana em direto.

Desce:
São Pedro - Nevoeiro de encomenda
Por ordem do Benfica, o patrono dos climas fez descer um raríssimo nevoeiro sobre a Choupana a ponto de não haver jogo.

Pérola:
"Só diz disparates! Este tipo só diz disparates!", Bruno de Carvalho
Ver comentários