Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luciano Amaral

Fraudes de soba

Métodos de fraude denunciados pela oposição são muitos.

Luciano Amaral 24 de Agosto de 2017 às 00:30
Os métodos de fraude denunciados pela oposição de Angola nas eleições de ontem são muitos.

Os partidos da oposição, União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Convergência Ampla para a Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA – CE), Frente Nacional para a Independência de Angola (FNLA) e Partido de Renovação Social (PRS) revelaram, entre outros, os seguintes: certas mesas de voto onde os resultados poderiam ser melhores para a oposição foram deslocadas para centenas de quilómetros de distância do mapeamento original, forçando os eleitores a viagens impossíveis; a contagem dos votos foi canalizada para centros municipais controlados pelo MPLA, em vez de feita na mesa de voto.

Anteontem, o Maka Angola denunciava que uma das empresas responsáveis pela logística das eleições estava a entregar os ‘kits’ eleitorais (incluindo boletins de voto) na província da Lunda-Norte aos sobas locais (os chefes tribais), quase todos dependentes do MPLA.

A vitória do MPLA é, pois, certa, embora seja interessante saber com que percentagem, algo que será um indicador da sua capacidade para manipular os resultados. Também interessante será saber quem fica em segundo.

Caso seja a CASA – CE, em vez da UNITA, será sinal de mudança: a UNITA faz quase tanto parte da mobília angolana quanto o MPLA; a ascensão de outro partido (mesmo se de um dissidente da UNITA) mostra a ascensão de outro eleitorado.
Luciano Amaral opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)