Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luís Campos Ferreira

O valor da comunicação

António Costa dá mesmo valor à comunicação. Cerca de 200 euros por cabeça.

Luís Campos Ferreira 30 de Novembro de 2017 às 00:30
António Costa tem uma crença absoluta na comunicação. Não na comunicação enquanto exercício de aproximação e transparência com os cidadãos mas enquanto estratagema de mistificação e de distração.

Quando tudo está a ruir, quando os problemas se sobrepõem inapelavelmente aos sucessos, quando as coisas correm mal, Costa recorre ao poder salvador e regenerador da mensagem certeira e da pose infalível no palco da comunicação.

‘Quando tudo falha, a comunicação funciona’, parece ser o primeiro mandamento do primeiro-ministro socialista. É claro que não foi António Costa quem inventou o marketing político, e é claro que todos o usam, pior ou melhor.

Aliás, no seu próprio partido, Costa tem exemplos do melhor (Soares) e do pior (Sócrates) nesta matéria. O que me parece realmente preocupante no caso do actual primeiro-ministro é que ele não comunica para governar mas governa para comunicar ou, pior, não governa mas comunica.

Um exemplo: a redução do défice. A forma como Costa e Centeno o têm reduzido, às duras custas das cativações, da ausência de investimento e da degradação dos serviços públicos, pode ser considerada uma não-governação, porque vai contra o interesse de todos.

No entanto, esse feito é um prato cheio para a comunicação do governo e do PS, que não se cansam de o propagar em outdoors por todo o País, como "o mais baixo défice da democracia portuguesa".

O importante é o slogan, o ‘sound-byte’, a frase forte que fica. Se as pessoas morrem à espera de cirurgias nos hospitais públicos, se as escolas fecham por falta de pessoal, se faltam meios e recursos para acudir as populações em caso de catástrofe, isso não é importante.

O grotesco conselho de ministros do passado domingo, em Aveiro, com pessoas pagas para fazerem perguntas ao governo, mostrou em definitivo como António Costa dá mesmo valor à comunicação. Cerca de 200 euros por cabeça.
Luís Campos Ferreira opinião
Ver comentários