Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Luís Campos Ferreira

Ventos da Europa

Juncker é certeiro ao dizer que é preciso ganhar o coração dos europeus.

Luís Campos Ferreira 14 de Setembro de 2017 às 00:30
O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, expôs ontem a sua visão para os próximos anos da Europa. Foi um discurso importante, que merecia uma leitura atenta e nacional, não fosse o distanciamento crónico dos cidadãos (e não só dos portugueses) relativamente às questões europeias.

E vale a pena começar por aqui. Ciente desse afastamento e das acusações (justas, em muitos casos) de falta de democracia e de representatividade das instituições comunitárias, Juncker é certeiro ao dizer que é preciso "ganhar o coração dos europeus", e avança com propostas concretas a nível institucional, como a existência de um presidente único à frente da UE.

Lembrou também que "a Europa é mais do que um mero mercado único, mais do que dinheiro, foi sempre uma questão de valores", destacando a solidariedade posta à prova na crise migratória, a vocação da Europa enquanto refúgio dos perseguidos ou os direitos dos cidadãos.

Mas a mensagem de Juncker renova também a esperança e a ambição de uma Europa mais forte, mais aprofundada, mais interventiva, e também "menos ingénua", aproveitando o bom momento económico que se vive no continente. E até de uma Europa mais alargada, se bem que não para já.

Este estímulo à revitalização e à liderança europeias – seja na indústria, no comércio, no combate às alterações climáticas, na segurança - é particularmente importante se pensarmos que há um ano a UE se encontrava próxima de um estado catatónico, a digerir o golpe do Brexit.

Juncker não se ficou na identificação dos problemas e propôs mudanças, traçou prioridades, lançou desafios. Se é tudo viável, desejável e exequível, provavelmente não será. Vai ser preciso conhecer a fundo cada proposta e avaliar.

Contudo, se nos conseguir pôr a discutir a Europa que temos e a Europa que queremos é já um mérito indiscutível. Não deixemos cair esta discussão.
presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker Europa Brexit UE política
Ver comentários