Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Mafalda de Avelar

Mulheres, mães, horários de trabalho e outras inquietudes

Na Venezuela, Maduro decreta 12h por semana de trabalho. No Brasil, casos tiram protagonismo à (ainda) Presidente. No resto do mundo, Espanha e EUA estão em corrida. Eleitoral.

Mafalda de Avelar 1 de Maio de 2016 às 01:45

1.Trabalham dois dias por semana

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que a função pública (exceto em serviços fundamentais) só trabalhará segundas e terças–feiras. Tudo isto em nome do racionamento da energia elétrica. Depois da folga às sextas, Maduro decreta, agora, trabalho dois dias por semana. A Venezuela está a viver uma enorme crise energética. As represas estão secas e a Central Hidroelétrica, que gera 70% da energia do país, a El Guri, está no mínimo.
 

2. Apagão, também, político

O grande motivo deste apagão é, segundo Maduro, o El Niño. Porém a oposição culpa o Governo de não ter planeamento e de ser o principal responsável. Entre acusações de corrupção e de falta de estratégia surge a ideia de que a diminuição das horas de trabalho semanais prejudica a produtividade do país.

3. Venezuela vs crise das commodities

O país sem luz, com a crise das commodities no máximo, é exportador de petróleo (mais de 90% das exportações garantem as receitas), viu o PIB cair 5,7%, está com inflação a 180%, rutura de stocks, racionamento de alimentos e violência.

4. Género do que aconteceu a Dilma?

Com o país de tanga, o presidente Maduro - a meio do seu mandato - parece começar a ficar sem chão. A oposição, que venceu as legislativas em dezembro e que detém mais de 2/3 dos deputados da Assembleia Nacional, começou a recolher assinaturas para um "referendo de revogação do mandato do presidente". Tal como no Brasil, será por fases: primeiro, a oposição tem cinco dias para recolher 1% de assinaturas; depois, três dias para recolher assinaturas de 20% dos eleitores. Para que o referendo tenha efeito, mais de 5 milhões de eleitores terão de votar.

5. Mulheres, women, mujeres, frauen…

Não restam dúvidas de que as mulheres dão (sempre) que falar. Hoje, Dia do Trabalhador, que curiosamente é também Dia da Mãe, as mães e as trabalhadoras e trabalhadores estão de parabéns. No feminino (para não ferir subjetividades políticas internas de qualquer quadrante), destaque para o cenário político internacional em que a alemã Merkel comanda a Europa, a americana Hillary se poderá tornar a primeira presidente dos EUA, e a brasileira, também mãe (tal como as outras), Dilma poderá sair (obrigada) da presidência pela porta de emergência, a mesma que se abrirá a Temer, cuja mulher, 40 anos mais nova, foi notícia de destaque no Brasil por ser "bela", "recatada" e "do lar". Características bem distintas tem a outra mulher do momento: Milena Santos, a primeira-dama do Turismo brasileiro.

6. Bumbum, a imagem do turismo

Apesar dos esforços para promover o Brasil para além do bumbum e da caipirinha (deliciosa, seguramente), o facto é que o dito continua a ter impacto global. Nesta semana a mulher do novo ministro do Turismo deu nas vistas pelo seu bumbum. No meio desta novela política repleta de episódios especiais e de grandes (Lava) Jatos de água fria, os protagonistas seguem… e desviam atenções do essencial.

7. Olimpíadas à vista e família imperial  

Além da Miss Bumbum - a mulher do titular do Turismo -, nesta semana destaque para a família imperial (descendente de D. Pedro II), que, segundo a Folha de S. Paulo, aproveita "clima de divisão para restaurar monarquia". A 100 dias do início das Olimpíadas, o Brasil continua a temer Temer, longe de Lula e com Dilma aos saltos por apoio político. A sua destituição, essa, depois de já ter arrancado no Senado, é cada vez mais certa.

8. A votos (novamente)

Depois de meses de espera e várias tentativas de formar governo, o rei de Espanha, Felipe VI, decide convocar novo ato eleitoral. E agora? As eleições, que serão realizadas dia 26 de junho, não prometem grandes alterações. O que não indica grande esperança… afinal as forças políticas "reinantes" não se entenderam (de forma alguma) e nem o apelo do rei funcionou. Espanha está, ou melhor, continua dividida. A todos os níveis.

9. Portugueses assassinados

Esta semana ficará marcada pelo assassinato de uma emigrante portuguesa, sem residência fixa e sem trabalho, na Alemanha (cujo corpo foi desmembrado). Também no registo "horror", um casal português foi assassinado em Angola, país onde também estão muitos emigrantes portugueses.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)