Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Magalhães e Silva

Cavaco e os amigos

A Torre e Espada a Vieira insulta heróis que a mereceram.

Magalhães e Silva 13 de Dezembro de 2015 às 00:30
Oliveira e Costa, com ações a preço de saldo, abriu a Cavaco as portas do BPN. Na hora da desgraça, o silêncio. A Dias Loureiro fê-lo conselheiro de Estado, sem nunca se perceber porquê. Agora, é Rocha Vieira que, volvidos 16 anos sobre o processo de Macau, vai ser agraciado com a Torre e Espada.

Concluído o processo de Macau, teria feito todo o sentido, fechada a última porta do Império, que Vieira, não pelos duvidosos méritos como Governador, mas como último representante de Portugal em terras das Descobertas, fosse condecorado com a Torre e Espada; e, nesse ato, se simbolizasse quanto, em cinco séculos, levámos ao mundo.

O episódio da Fundação Jorge Álvares, desobedecendo a Sampaio, e as réplicas deixadas, às escondidas, na sala dos retratos da Praia Grande, mancharam, insuportavelmente, a dignidade do Estado português. E por isso, o Grande Colar do Infante que recebeu do PR salvou as aparências, não apagou a indignidade.

Cavaco terá todas as razões para estar grato a Vieira, mas compense-o com o que é seu, não com o que é nosso.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)