Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Manuel Sequeira

Pois é verdade

Os tribunais não devem depender financeiramente do governo.

Manuel Sequeira 21 de Maio de 2016 às 01:45
As contas, desde a última reforma judiciária, mostram que afinal os tribunais conseguem governar-se, denotando tendência de redução de pendências e de tempos de resolução dos processos, com aproveitamento dos meios existentes.

Muitos profissionais forenses apoiam a eficácia do encontro de soluções por quem hoje gere os tribunais, conhecendo a sua realidade.

Assim, a desejável e sempre possível melhoria da justiça para os cidadãos dar-se-á naturalmente com o decidido reforço dos deveres de gestão de proximidade das atuais comarcas, efetuada por conselho composto por um juiz, um procurador e um oficial de justiça, como de resto foi antes experimentado, com assinalável êxito, em três comarcas-piloto.

Para tanto, desde logo, os tribunais – independentes, diz a Constituição – não devem depender financeiramente do Governo, passando a ser, também eles, orçamentalmente responsáveis. Um caminho se revela: de um lado, a eficiência da justiça, gerida pelo judiciário. Do outro, a comprovada ineficácia do pesado e distante poder central.

Como é usual suceder nos tribunais: de um lado, os cidadãos respeitadores e cumpridores da lei. Do outro, os demais… A escolha parece fácil!
Governo reforma judiciária tribunais Justiça Constituição
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)