Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

António Marinho e Pinto

Liberdade e terrorismo

Se há pessoas que entendem que o terrorismo é solução para alguns problemas, porque é que só dizem isso às escondidas?

António Marinho e Pinto 19 de Janeiro de 2015 às 00:30

O recente ataque ao jornal Charlie Hebdo suscitou uma estranha unanimidade na defesa da liberdade na Europa. Receio bem que isso seja mais uma epidérmica decorrência de emoções momentâneas do que a expressão de uma genuína adesão à causa da liberdade. Quando começamos a questionar o conteúdo concreto das várias dimensões da liberdade, começam a surgir os primeiros desvios àquela unanimidade. Vejamos a liberdade de expressão.

Porque é que, havendo tantos defensores do terrorismo na Europa, não se vê nenhum deles a fazer a sua defesa nos órgãos da comunicação social? Se há pessoas que entendem que o terrorismo é uma solução para alguns problemas, porque é que só dizem isso às escondidas e não nos órgãos de comunicação social? Ter opiniões favoráveis ao terrorismo não transforma, ipso facto, uma pessoa em terrorista. Qualquer pessoa pode ter as opiniões que quiser sobre quaisquer crimes, sem que isso seja, necessariamente, um crime – desde que não pratique nenhum dos atos preparatórios ou de execução do respetivo tipo legal. A paz foi alcançada na Irlanda do Norte porque o Reino Unido e os unionistas tiveram a coragem de negociar com o Sinn Féin, o braço político de uma organização considerada terrorista – o IRA. Nelson Mandela esteve preso quase 30 anos não por ter praticado qualquer ato de violência contra pessoas, mas apenas por defender o direito dos negros a usar a violência contra o apartheid.

Eu gostava de poder discutir com um defensor da jihad, em ambiente de plena liberdade para ambos, as motivações políticas ou ideológicas da violência armada contra cidadãos indefesos e inocentes e tentar demonstrar-lhe o erro dessas opções. Em vez de o silenciar com iradas excomunhões, eu gostaria de poder ouvir tudo o que ele tivesse a dizer na defesa da sua doutrina de violência para depois eu o rebater com os meus argumentos de respeito pela dignidade da pessoa humana. No dia em que isso acontecesse, haveríamos, ao menos, de estar de acordo na escolha das armas para esse confronto: as palavras, as ideias e os argumentos em vez das bombas e das metralhadoras.

Servidores zelosos e indícios suspeitos

Magistrados que serviram a ditadura fascista foram acolhidos sem censura

Porque é que a democracia instaurada com a revolução do 25 de Abril de 1974 acolheu sem o mais leve juízo de censura os magistrados que serviram a ditadura fascista com tanto ou mais zelo do que os próprios agentes da PIDE/DGS?

Indícios fortes para decretar prisão preventiva não servem para fundamentar acusação

Se um juiz entende que os indícios da prática de um crime são suficientemente fortes para decretar a prisão preventiva de um suspeito, então porque é que já não servem para fundamentar a acusação por parte do Ministério Público?

Desprezo e visitas a Évora

Muitos idosos estão a morrer dentro dos serviços de urgência dos hospitais

O resultado mais visível das tentativas deste governo para destruir o Serviço Nacional de Saúde está no facto de muitos idosos estarem a morrer dentro dos serviços de urgência dos hospitais por ausência de cuidados médicos em tempo útil.

Socialistas foram a Évora verificar que prisão é segura e que o preso não foge

Parece que alguns dirigentes do partido socialista só foram visitar Sócrates ao Estabelecimento Prisional de Évora para se certificarem, in loco e de visu, de que a prisão é segura e o preso não tem realmente possibilidade de fugir.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)