Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
9
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Mário Pereira

Terrível peso sobre Nuno Espírito Santo

Treinador terá de fazer o que os dirigentes não conseguiram.

Mário Pereira 22 de Outubro de 2016 às 00:30
A recente divulgação do relatório e contas da SAD do FC Porto veio colocar a nu a realidade financeira da sociedade que gere o futebol do clube. Havia indícios claros de que qualquer coisa de muito preocupante estava para acontecer e a maior de todas essas pistas foi a demissão do administrador Antero Henrique, um homem com 26 anos de ligação aos dragões, em setembro último. Antero estava descontente com o modelo de gestão adotado, um paradigma que culminou com três anos de insucesso desportivo. Ao invés, nesse período, o clube foi campeão dos pagamentos feitos em forma de comissões a empresários, mais de 20 milhões de euros só nos últimos dois anos.

Na justificação das más contas, o administrador Fernando Gomes explicou que os quase 60 milhões de euros no vermelho se devem a uma opção estratégica: "A equipa técnica e administração entenderam que, num momento em que ainda não estava garantido o acesso direto à Liga dos Campeões, a venda [de jogadores] seria um duro golpe no percurso desportivo desta época."

Chama-se a isto fugir para a frente. Mas pior ainda é a pressão que é atirada (ou será sacudida?) para cima do treinador. E assim, Nuno Espírito Santo carrega um ónus terrível. No relvado, à chuva e ao frio, o técnico terá de conseguir aquilo que os gestores não foram capazes de fazer no luxo dos gabinetes. E já sabe que se não ganhar, será a ele que lhe irão pedir explicações. Enfrentar cada jogo com este peso sobre os ombros deve ser uma coisa terrível.
SAD FC Porto Antero Henrique Fernando Gomes Liga dos Campeões Nuno Espírito Santo desporto futebol
Ver comentários