Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
2
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Concurso vira Lisboa do avesso

O concurso para o mobiliário urbano em Lisboa está engatado e sem vencedor.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 4 de Dezembro de 2017 às 00:30
Há um concurso público que está a virar Lisboa do avesso. Não é para menos: vale mais de 100 milhões de euros, dura 15 anos e pode definir o perfil arquitetónico da cidade. Trata-se da atribuição da publicidade em 'outdoors' e mobiliário urbano (paragens de autocarro, grandes ecrãs, caixotes do lixo), que ocorreu em maio, mas cujo desfecho ainda é incerto. As empresas concorrentes têm envolvidos ex-políticos e socorrem-se furiosamente do 'lobby'.

Do lado da Câmara, a palavra de ordem é afastar o processo para os tribunais. Aliás, o próprio júri do concurso, depois de previamente ter declarado vencedora uma empresa constituída seis dias antes do encerramento do concurso, pediu agora um parecer à Sérvulo Correia & Associados de modo a ter garantias de que nada foi feito irregularmente.

Existem vários problemas: um fundo de investimento que quer vender uma empresa cujo único ativo será a vitória neste concurso; uma multinacional que nega qualquer intenção de compra da empresa vencedora; e vários escritórios de advogados que olham para um bolo de 100 milhões com enorme tentação.

No meio disto tudo está Fernando Medina. O homem que quer mudar a arquitetura urbana da cidade. Quer paragens com mais conforto, caixotes do lixo bem desenhados e uma cidade com acesso à internet. Para que o sonho se torne realidade, é preciso decidir quem é o vencedor. Uma questão que pode demorar vários anos. E o cidadão que apanhe chuva e vento enquanto espera pelo 67.

Puro Veneno
Chefes de governo maçons
A obra 'Chefes de Governo Maçons (1835-2016)', da autoria de António Ventura, foi galardoada com o prémio Lusitania de História da Academia Portuguesa de História. Os prémios serão entregues na próxima quarta-feira.

Marcelo dorme no hotel
Quando o Presidente da República precisa de sair cedo de Lisboa não fica em Belém nem em Cascais, dorme num hotel bem no centro de Lisboa. É meio caminho andado.

Kopelipa não chega a Lourenço
O general Kopelipa, chefe da casa militar, não terá conseguido ter um encontro com João Lourenço, tendo sido travado pelo diretor de gabinete do Presidente da República. A audiência não tinha sido previamente marcada.

Multiplicam-se as candidaturas
Parece que se multiplicam as candidaturas à liderança do PSD Lisboa. Nomes falados: Rodrigo Gonçalves, Alexandra Sousa Duarte, Luís Newton, Sérgio Azevedo, Joana Barata Lopes e Diogo Agostinho... e os mais que virão.

Figueira tem advogado oficioso
O principal protagonista da 'Operação Fizz', o procurador do Ministério Público Orlado Figueira, já lhe viu ser nomeado um advogado oficioso depois da escusa pedida por Paulo Sá e Cunha e pelo escritório de advogados Cuatrecasas.

Homem da Goldman
Fórum Banca
Arnaut persegue banqueiros pelos corredores do Hotel Ritz
Na quarta-feira (dia 29) realizou-se o Fórum Banca no Ritz. Quase todos os presidentes das principais instituições financeiras portuguesas marcaram presença. Mas foi José Luís Arnaut, o homem da Goldman Sachs em Portugal que esteve em grande evidência. O ex-deputado do PSD quis falar com todos os banqueiros. Perseguia-os entre cadeiras e corredores do Ritz. Uma palavrinha aqui, uma pequena conversa acolá, será que Arnaut queria explicar a posição da Goldman face aos bancos portugueses... ou será outra coisa ainda por anunciar? Haverá notícias em breve.
Ver comentários