Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Miguel Alexandre Ganhão

Morrer na praia

Nunca uma expressão revelou tão completamente o seu verdadeiro significado.

Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 5 de Setembro de 2015 às 00:30
A frustração, a revolta, a impotência por não conseguir atingir o objetivo que estava logo ali ao alcance da mão, e maximizada até ao absurdo pelo cadáver de uma criança numa praia da Turquia.

Completamente vestido, como se fosse para uma festa de um coleguinha de escola, o menino que morreu às portas da Europa é um insulto para todos os europeus , mas também uma chapada na cara dos americanos, dos chineses e dos russos que, cinicamente, contemplam os problemas que atormentam um velho rival .

Temos um problema que não se resolve com a construção de muros ou centros de refugiados, piedoso pleonasmo para evitar a expressão campos de concentração porque a segunda guerra está demasiado perto .
Enquanto não for resolvido, este problema vai minar as famílias, as sociedades e os países. Atente-se ao que já se passa nas redes sociais com a disponibilidade portuguesa para acolher refugiados.

Se não encontrarmos uma solução equilibrada vamos tornar-nos insensíveis ao sofrimento, o primeiro passo para matar a solidariedade é libertar os cães da guerra.
opinião miguel alexandre ganhão morrer praia refugiados expressão
Ver comentários