Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

Marcelo sabe nadar

Mais de quarenta pessoas morreram. Mero detalhe para estes ratos do Rato.

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 29 de Outubro de 2017 às 00:32
Se o ridículo queimasse, umas fontes governamentais anónimas estariam tão mal quanto as vítimas dos incêndios por incúria do Governo.

Dão as ditas fontes conta do incómodo que gerou a Costa o discurso duro de Marcelo, na sequência de mais uma tragédia avassaladora.

Que os tempos de saída da ministra estavam já combinados entre S. Bento e Belém, dizem as ocultas fontes.

Só se esqueceram de dizer que, entre a combinação de Costa e o discurso do Presidente, mais de quarenta pessoas morreram em aldeias e estradas de Portugal – mero detalhe para estes ratos do Rato.

Já Marcelo, bem posicionado ao lado dos cidadãos de todos os partidos, que já não toleram mais incompetências mortais em matérias de soberania, não mandou atirar pedras e esconder a mão. Respondeu em voz alta, ao dito choque na corte socialista, que chocado estava o País com mais esta memória coletiva traumática.

Não é preciso sondagem para sentir de que lado estão os portugueses. Marcelo continua ao ataque e, neste novo ciclo, não irá parar.

P.S. – A semana ficou marcada pela polémica em torno de um acórdão sobre violência doméstica. O acórdão é uma aberração anacrónica nos fundamentos para atenuação da pena ao agressor, mas a polémica retrata este País macrocéfalo e histérico em que nos tornámos. Uma turba digital que reage em matilha às causas da moda.

Já a ligeiríssima pena suspensa para um comprovado pirómano de Aveiro não mereceu qualquer tipo de indignação coletiva.
Octávio Ribeiro opinião
Ver comentários