Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Padre António Rego

Quarto segredo

No Santuário de Fátima acontece a celebração, o sagrado e o agradecimento.

Padre António Rego 12 de Maio de 2017 às 00:30
É no chão de Fátima, cinzento e encharcado, que escrevo estas linhas. Acabei de chegar. E ainda estou sem responder à pergunta que todos nós fazemos: que tem de mágico e diferente este espaço que, no frio do inverno, no calor abrasador de verão, ou apenas sufocado por nuvens negras de qualquer estação, nos toca ainda antes de o percorrermos com os olhos? Não é o lugar mais belo do mundo.

Mas os passos dos peregrinos, os joelhos de alguns no chão molhado, a simplicidade alva da capelinha, a serenidade da imagem, a altura da torre da basílica, o altar da celebração, a cobertura original da mesa da palavra, as colunas encimadas por figuras que nos precederam na fé, e o que o tempo foi acrescentando: as estátuas de Pio XII, Paulo VI, João Paulo II, aquela árvore centenária que evoca a azinheira desaparecida das aparições, o todo que nos envolve, o ar que se respira, a presença do sagrado, o povo, monumento que enquadra e enobrece este todo, deixam-nos presos a algo que é mais que a soma de tudo isto e que tudo isto transcende.

Não gosto de lhe chamar magia nem energia especial, nem simples espaço religioso. É mesmo um santuário no seu todo onde acontece o sagrado, o mistério, a celebração, a petição e o agradecimento, o ponto de chegada de tantos desideratos, o encontro de tantos desencontros.

Tudo isto vejo no olhar de cada peregrino e no cansaço da chegada que é ao mesmo tempo uma alegria íntima sem palavras na hora de contar. O essencial está mesmo por dentro e só se exprime nos pequenos silêncios e nas grandes aclamações da multidão. Andará esse todo perto ou no interior do mistério porque não podemos encerrar nas simples emoções ou em expressões reduzidas aos cruzamentos psicológicos que trabalham os nossos sentimentos. É muito mais que isso.

O melhor é vir até Fátima. Não explica tudo, mas abre algumas portas cujas chaves estão dispersas por estes lugares.
João Paulo II Pio XII Fátima Paulo VI religião
Ver comentários