Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Fonte

Dívidas são para pagar

Portugal está a cumprir o percurso delineado e tomou as medidas para corrigir o défice. Por isso, não há congelamento de fundos.

Paulo Fonte(paulofonte@cmjornal.pt) 24 de Novembro de 2016 às 01:45
"O que o Governo acaba de fazer é uma renegociação da dívida. É trocar uma dívida que tinha o juro mais elevado, por uma dívida nova com juro mais baixo. Isto é simplesmente renegociar dívida, não é reduzir o nosso endividamento."

Quem assim se exprimia em fevereiro de 2015 comentava a pretensão do governo de Passos Coelho de querer antecipar o pagamento de 14 mil milhões ao FMI e poupar 200 milhões em juros. Saltemos o suspense. O autor da afirmação é o atual primeiro-ministro, o mesmo homem que rejubila agora com a antecipação do pagamento de duas tranches do resgate no valor de dois mil milhões de euros. Enfim, política.

Costa, tal como Passos o foi, mostra ser um "bom aluno europeu", no caso o melhor entre os países que se encontram em situação mais delicada. Portugal está a cumprir o percurso delineado e tomou as medidas para corrigir o défice. Por isso, não há congelamento de fundos.

Tal como o seu antecessor, António Costa tem cumprido, o mesmo aconteceu com Mário Soares. Não há volta a dar. As dívidas são para serem pagas. E, ao contrário do que defendia um suposto escritor de pouco sucesso, não devem ser apenas geridas.
Governo Passos Coelho FMI António Costa Portugal Mário Soares dívida
Ver comentários