Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Paulo Fonte

Espírito de contradição

Bem vistas as coisas, o mais lógico seria manter tudo como estava. Passo a explicar.

Paulo Fonte(paulofonte@cmjornal.pt) 4 de Setembro de 2014 às 00:30

O Governo fechou 20 tribunais e converteu 27 em secções de proximidade. Nos últimos dias foi uma lufa-lufa com o transporte de processos, atividade em que até o Exército serviu de paquete. Já esta semana, o Partido Socialista criticou o novo mapa judiciário e prometeu reabrir todos os espaços encerrados. Isto, claro, se for Governo. Não é necessário estar atento à mesa do lado para se adivinhar as orelhas a arder de Passos Coelho. Num qualquer inquérito de rua só há um resultado, o PS tem as eleições no bolso e pode encomendar o espumante. Feitas estas simples conjeturas, dava ou não menos transtornos e uma menor despesa deixar tudo como estava?

Os socialistas dizem que 49 concelhos estão de luto. São 400 mil pessoas privadas da Justiça, argumentam. Desse número, desconheço quantos cidadãos precisaram ou vão alguma vez necessitar de recorrer aos tribunais. Note-se que um tribunal não é uma padaria, loja a que se vai com uma frequência quase diária. Mas pondo de parte estes considerandos, fica o vale-tudo para ganhar votos. Deve ser mesmo inebriante. O poder, claro.

O Governo Partido Socialista Passos Coelho PS
Ver comentários