Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Pedro Santana Lopes

Fora do Comum

No final da conversa com José Maria das Neves, soube que Jorge Sampaio queria falar comigo.

Pedro Santana Lopes 18 de Outubro de 2015 às 00:30

O encontro com o primeiro-ministro José Maria Neves e outros membros do Governo de Cabo Verde ocorreu num dia muito especial. Já explicarei adiante o motivo. Tenho com Cabo Verde uma relação de trabalho e amizade construída ao longo de anos, começando na Câmara Municipal da Figueira da Foz, através de cooperação com o então presidente da Câmara Municipal da Praia, Felisberto Vieira. Mas a cooperação continuou e desenvolveu-se muito na Câmara Municipal de Lisboa, nomeadamente quando fui eleito presidente da União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA).






















Na altura, tomei a iniciativa de fazermos importantes obras naquele país, entre elas o restauro da Casa Padja, na cidade da Praia, e, principalmente, a construção da avenida Cidade de Lisboa, que liga aeroporto à capital daquele país na ilha de Santiago.

Recordo-me de uma visita que efetuei, enquanto presidente da CML e da UCCLA, a Cabo Verde, em que foram comigo na comitiva os cantores João Pedro Pais e Sara Tavares.

O propósito daquela deslocação foi a assembleia geral da UCCLA, que teve lugar lá, e uma das obras que nos preocupava e motivava era a da recuperação da cidade velha, onde Espanha assumia também um importante investimento. Sempre entendi que eram difíceis de compreender determinadas hesitações em investimentos muito importantes para países da CPLP e que nem assumiam especial peso financeiro.

Quando fui nomeado primeiro-ministro havia alguns dossiês importantes a resolver com Cabo Verde, nomeadamente na área da energia, mas outros temas estavam também em cima da mesa, tais como a cooperação nas áreas empresarial, da educação e da ciência. A cimeira com o Governo de Cabo Verde decorreu no Palácio das Necessidades e realizou-se no dia 30 de novembro de 2004, uma terça-feira. A seguir à reunião de trabalho, seguiu-se um almoço oficial. No final da minha conversa a sós com José Maria Neves e durante o almoço comecei a receber recados do Palácio de Belém no sentido em que o Presidente da República Jorge Sampaio queria falar comigo.

Na véspera, o Presidente da República tinha-me confirmado que não havia qualquer problema em proceder à substituição do ministro que havia apresentado da sua demissão. No dia seguinte ao encontro com a delegação cabo-verdiana, partiria para visita oficial à Turquia e tinha convidado o ministro na véspera à noite para tomar posse quarta de manhã, às 10h. Jorge Sampaio tinha mudado a sua posição e estava a pedir para eu ir nessa terça-feira ao Palácio de Belém, para me comunicar essa "novidade". Contei a José Maria Neves o que pensava que estava a acontecer, ele ficou incrédulo, mas depois confirmou-se que havia problema.

Há cerca de um mês, o primeiro-ministro de Cabo Verde teve a gentileza de me convidar para apresentar um livro seu na Madeira, o que acabou por não ser possível. Mas estive no lançamento do livro em Lisboa no Grémio Literário e o meu amigo José Maria Neves lá lembrou esse momento na excelente intervenção que fez. Nunca hei de esquecer que, depois das eleições de 2005, que perdi, e tendo regressado à CML, José Maria Neves – julgo que em setembro desse ano – voltou a fazer uma visita de trabalho a Portugal e fez questão, depois do seu encontro com o então primeiro-ministro José Sócrates, de se deslocar à CML para me dar um abraço. Explicou-me que não o deixaria de o fazer a quem considerava um grande amigo de Cabo Verde e do seu povo. Esclareço que somos de famílias políticas diferentes, mas há planos na vida em que obviamente isso não conta.

José Maria Neves é uma dessas pessoas fora do comum e de dimensão humana superior. Por isso mesmo, hei de ser sempre seu amigo. A política também tem gestos destes, momentos destes, sentimentos destes.

 

José Maria das Neves

Primeiro-ministro de Cabo-Verde desde 2001

Nascimento: 28 de março de 1960

Local: Santa Catarina, Santiago, Cabo Verde

Pai: José das Neves

Mãe: Alda das Neves (D. Nair)

Irmãos: oriundo de uma família numerosa, tem uma irmã gémea, Maria José

Filhos: José Luís Tavares Pereira Neves, José Maria Pereira Neves Jr. e João Manuel de Boal e Neves

Educação: Ensino primário e secundário em Cabo Verde e depois rumou ao Brasil onde se
licenciou em Administração Pública pela Escola de Adminis-

tração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas

Cronologia

1996 deputado da Assembleia Nacional de 1996 a 2000, eleito pelo Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV), à época na oposição. Durante este período, ocupou os cargos de 2.º vice-presidente da Assembleia e Diretor da Comissão Especial para a Administração Pública, Governo Local e Desenvolvimento Regional.

2000 eleito presidente da Câmara de Santa Catarina

2001 eleito presidente do PAICV, o partido saiu vitorioso das eleições legislativas de 14 de janeiro. Como resultado, José Maria Neves foi designado primeiro-ministro de Cabo Verde pelo presidente da República

2010 recebido pela Sua Santidade o papa Bento XVI numa audiência e convidou-o para
visitar o arquipélago

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)