Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
7

Ricardo Ramos

Redes sociais de ódio

"Matava todos os infiéis e só deixava os muçulmanos que seguissem a religião".

Ricardo Ramos 21 de Agosto de 2017 às 00:30
"Matava todos os infiéis e só deixava os muçulmanos que seguissem a religião". A frase foi escrita numa rede social por Moussa Oukabir, um jovem de 15 anos que viria, dois dias depois, a integrar a célula terrorista que matou e feriu dezenas de pessoas em Barcelona e Cambrils.

Muitos leram a frase, talvez alguns a tivessem partilhado. Ninguém – inclusive a rede social onde foi escrita - a denunciou como aquilo que era: uma declaração de ódio.

Na semana passada, após a manifestação de grupos racistas e neonazis em Charlottesville, redes sociais e plataformas de Internet que alojavam páginas de grupos racistas e supremacistas correram a encerrá-las, numa atitude tão louvável como hipócrita.

Será que só então repararam que serviam para difundir mensagens de ódio? Claro que não. Se as redes sociais têm algoritmos para detetar e bloquear pornografia, porque não são capazes de detetar e denunciar mensagens de ódio racial ou religioso? A resposta é simples: porque não querem.

Apelar à morte de negros, mulheres, homossexuais ou infiéis não é liberdade de expressão: é crime. E tanto devem ser punidos os que as escrevem como aqueles que permitem que essas mensagens de ódio sejam lidas e partilhadas.
Ricardo Ramos opinião
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)