Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
4
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Ricardo Tavares

Árbitros agora até chocam com portistas

Longe vai o tempo em que os árbitros fugiam a sete pés dos dragões.

Ricardo Tavares 7 de Janeiro de 2017 às 01:45
Longe vai o tempo em que alguns árbitros – José Pratas, por exemplo, como chegou a recordar Luís Filipe Vieira, ou, lembro eu, António Rola, fiel servidor do Benfica – fugiam a sete pés dos jogadores do FC Porto. Era a fruta da época.

Agora, ironicamente, até chocam com os futebolistas azuis-e-brancos. Hoje, até lhes pisam os calos, como sucedeu, em Moreira de Cónegos, com Danilo, que não teve direito a um pedido de desculpa, mas, sim, ao ‘vermelho’, de certeza por não dizer ao juiz Luís Godinho para ir a Fátima a pé.

Os portistas, importa sublinhar, colocaram-se a jeito, à semelhança do Sporting em Setúbal. Os dragões, com obrigação de acertar nas balizas contrárias, não são um FC Porto… à FC Porto, por muito que custe a um Nuno Espírito Santo de discurso redondo e – quando faz a promessa do "contra tudo e contra todos" – estafado.

Mas, com franqueza, têm sido pornograficamente prejudicados pelas arbitragens, como aconteceu terça-feira. Só falta, agora, darem ao juiz de Évora uma nota idêntica à atribuída a Jorge Sousa no último dérbi. Não estranharia, confesso, porque já não há decoro.

A arbitragem bateu mesmo no fundo, não tanto por culpa dos pixotes nomeados para jogos decisivos, mas, sim, de quem os fez internacionais por decreto e não por mérito. Assim, não admira que, no futebol do país campeão europeu, o que ontem era mentira, hoje mentira é.
Ver comentários