Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Sérgio Pereira Cardoso

Domingos, vamos às gajas!

Numa madrugada de maio de 2010, quatro encapuzados realizaram um violento assalto a uma padaria de Oliveirinha, Aveiro.

Sérgio Pereira Cardoso 8 de Maio de 2016 às 15:00

Sequestraram e agrediram o funcionário, levaram dinheiro, telemóveis e tabaco. Para três dos ladrões, foi o crime praticamente perfeito. Para o jovem Domingos, então com 28 anos, nem por isso. Tudo porque, a meio do espancamento ao padeiro, decidiu fazer uma pausa e comer um gelado. Má sorte, caiu-lhe mal e fez com que vomitasse perto do local do crime, sendo uma das provas que levaram o tribunal a aplicar- -lhe cinco anos de prisão.

Mas não só. Domingos também cometeu  o  erro  de  ficar com um dos telemóveis da vítima, o que foi igualmente fulcral para  o  colocar,  com  certezas, entre os assaltantes da padaria. Esta é a simples visão da Justiça daquilo  que  aconteceu:  o  homem  participou,  com  outros três cuja identidade permanece desconhecida,  ativamente  no violento roubo. Já a história que foi contada pelo arguido em tribunal é dez vezes mais conseguida e interessante.

Pois então, narrou Domingos, tudo começou quando estava com três amigos num café. Três amigos, explicou, que nem conhecia muito  bem,  eram  da zona do Alentejo e tinham sotaque espanhol. Típicos hispano-alentejanos, portanto. Por essa altura, já tinha bebido, de dia, "10 a 15 cervejas", às quais, no tal café, adicionou mais "sete ou oito" que mandou abaixo. E é aí que os companheiros lhe fazem um convite. "Queres vir às gajas?" Vamos a isso, respondeu, acrescentando que preferia ir lá ter de bicicleta. Duas das coisas que os juízes estranharam nessa versão foram o facto de aceitar "ir às gajas" a uma padaria – às três da manhã! – e o outro de declinar uma boleia para pegar numa bicicleta, quando já tinha no bucho 17 a 23 cervejas.

Já no local, continuou a descrever Domingos, os seus colegas alentejanos  disseram-lhe para  ficar  no  muro  enquanto eles  iam  "pregar  um  susto". Quando  regressaram,  os  três comparsas  meteram-lhe  100 euros num bolso, mas prometeram matar-lhe a família se algum dia contasse aquilo que se tinha  passado.  "E  um  deles deu-me um gelado", acrescentou. Um clássico: se algum dia falares,  mato-te  a  tua  família toda, mas, entretanto, toma lá este Magnum Amêndoas.

"Ó senhor Domingos, então e o telemóvel?", perguntou o juiz. "Ah, sim. Puseram-mo no outro bolso". Outra prenda, antes de ir embora a pedalar, depois de 20  cervejas,  um  gelado, ameaças de morte e uma indisposição gástrica. E gajas? Gajas é que nada. Já não se fazem padarias como antigamente. 

Sérgio Pereira Cardoso ladrões do pior
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)