Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Teófilo Santiago

Unidades

Modelo de sucesso, na PJ, do combate ao banditismo não foi bem replicado.

Teófilo Santiago 8 de Abril de 2016 às 01:45
No combate a uma realidade dinâmica e multiforme como é a criminalidade, não há fórmulas mágicas. O êxito que foi a criação, em 1982, da Direção Central de Combate ao Banditismo para combater o grupo terrorista FP 25 de Abril levou muitos a convencerem-se de que estava encontrada a receita para enfrentar o crime mais grave e organizado.

Passava por criar, na PJ, unidades com capacidade de recolha e tratamento de toda a informação nacional, relativa a um fenómeno – centralizando-a – e operacionalizá-la com investigadores experientes, os melhores - sob uma direção funcional que assumiria prioridades e estratégias.

Mas os tempos mudam, cada fenómeno criminoso tem especificidades, dimensão e dinâmicas diferenciadoras, e não foi possível replicar na sua pureza aquele modelo bem-sucedido.

A PJ, persistindo no desenho, tem disfarçado dificuldades com a desconcentração de investigações – deixando muitas nas suas unidades regionais - mas o mesmo não acontece no MP, que teima em centralizar – bem - a informação e a concentrar - mal - investigações mais complexas num único departamento, o que dificulta, ou impossibilita, um trabalho fluido e profícuo, com a tranquilidade e o secretismo que investigações tão delicadas exigem.
Direção Central de Combate ao Banditismo PJ crimes Ministério Público
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)