Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
3
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Teófilo Santiago

Unidades

Modelo de sucesso, na PJ, do combate ao banditismo não foi bem replicado.

Teófilo Santiago 8 de Abril de 2016 às 01:45
No combate a uma realidade dinâmica e multiforme como é a criminalidade, não há fórmulas mágicas. O êxito que foi a criação, em 1982, da Direção Central de Combate ao Banditismo para combater o grupo terrorista FP 25 de Abril levou muitos a convencerem-se de que estava encontrada a receita para enfrentar o crime mais grave e organizado.

Passava por criar, na PJ, unidades com capacidade de recolha e tratamento de toda a informação nacional, relativa a um fenómeno – centralizando-a – e operacionalizá-la com investigadores experientes, os melhores - sob uma direção funcional que assumiria prioridades e estratégias.

Mas os tempos mudam, cada fenómeno criminoso tem especificidades, dimensão e dinâmicas diferenciadoras, e não foi possível replicar na sua pureza aquele modelo bem-sucedido.

A PJ, persistindo no desenho, tem disfarçado dificuldades com a desconcentração de investigações – deixando muitas nas suas unidades regionais - mas o mesmo não acontece no MP, que teima em centralizar – bem - a informação e a concentrar - mal - investigações mais complexas num único departamento, o que dificulta, ou impossibilita, um trabalho fluido e profícuo, com a tranquilidade e o secretismo que investigações tão delicadas exigem.
Direção Central de Combate ao Banditismo PJ crimes Ministério Público
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)