Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
1
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Teófilo Santiago

Vela latina

Recordo o dia negro de uma carnificina cobarde no Brasil.

Teófilo Santiago 14 de Agosto de 2015 às 00:30
Há dias negros que ficam vincados na nossa memória. Há 14 anos, num maldito 12 de agosto, seis portugueses foram cobardemente assassinados e enterrados numa barraca  a que chamavam Vela Latina – boteco de terceira categoria, na Praia do Futuro, em Fortaleza – donde foram resgatados no dia 24. Desse "dia de cão" recordo as lágrimas grossas que durante horas correram pela face do velho cônsul honorário na cidade e que brotaram mal começaram a  aparecer os corpos dos infelizes por debaixo do cimento. Lágrimas de dor e de mágoa (ia escrever raiva) face ao circo macabro montado pelas autoridades locais, somado a apreciações impróprias, na cena do crime, atiçando os media (convocados e presentes no local) a explorar o facto de ser um português o mentor da carnificina e afrontando, de forma gratuita, os que ali representavam o país e as famílias das vítimas. Isto no país que vive há anos uma "guerra civil" com  homicídios que causam mais de 55 mil vítimas (!) por ano – versão oficial. Quem, de cátedra, critica o sistema policial, as autoridades e a Justiça que temos em Portugal deveria refletir seriamente  sobre estas realidades e... por aqui me fico! 
Praia do Futuro Fortaleza crime lei e justiça crime lei e justiça questões sociais política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)