Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Tiago Rebelo

Subtilezas

"Se não vens jantar comigo, faço greve de fome.”

Tiago Rebelo 1 de Março de 2015 às 00:30

As duas amigas conversam ao telefone. Queixa-se uma delas, referindo-se ao homem que deseja, que ele não percebe os sinais que ela lhe transmite. E no entanto sou tão óbvia, comenta, desanimada. Olha, diz a outra, se queres dizer-lhe alguma coisa, de facto, é melhor explicares-lhe o que te vai na cabeça.

Os homens são muito práticos e têm tendência para não entenderem as subtilezas do pensamento feminino. Tu achas? Hum-hum, acho. Mas, achas que ele não compreende? Não se está mesmo a ver o que eu quero?                                                                                                           

E a amiga, paciente, explica-lhe: para ti está, para mim também, agora, para ele não, de todo, porque, se lhe dizes que não, ele percebe que queres dizer não. Mas, diz ela, o que é que ele vai pensar de mim se lhe disser que sim a tudo, assim, sem mais nem menos? Pois, responde a amiga, pensativa, lá nisso tens razão. Vai pensar que sou fácil. Não pode ser! Pois não… admite a amiga. Então, tenho de dizer que não. Tens, mas tenta parecer que sim. É o que estou a fazer e ele não percebe nada! Eu sei, é complicado…

Ele, desalentado, desabafa com um amigo na esplanada, entre duas cervejas: já não sei o que lhe dizer. Tens de ter calma, recomenda o amigo entre gargalhadas, com as mulheres não é meia bola e força, elas demoram o seu tempo a digerir as coisas. Sim, concorda, mas tanto tempo?! Bem, diz o outro, se calhar, ela não está interessada. Não está interessada, o quê! Se não estivesse interessada não continuava a falar comigo, não achas? Hum, acho. Então… a voz dele sume-se numa perplexidade. Já a convidaste para sair?, pergunta o amigo. Já, claro, responde-me sempre que tem de pensar no assunto, mas tem de pensar em quê? Vá-se lá saber, vá-se lá saber…

No dia seguinte ele envia-lhe uma mensagem para o telemóvel: "Se não vens jantar comigo, faço greve de fome." Ela, encantada com este ultimato, pergunta-lhe: "Morrias de fome por mim?" E ele, inspirado, replica-lhe: "Se já pouco como, a pensar em ti, acho que é só uma questão de tempo." Tretas, pensa ela, mas, como acha que ele lhe deu a resposta certa, aceita o convite.

E ali estão eles, no melhor restaurante que ele pode pagar, e, subitamente, tudo se torna maravilhosamente fácil. Conversam e riem-se sem constrangimentos, felizes na companhia um do outro.

Valeu a pena esperar por ela, pensa ele, observando-a com um sorriso encantado. Valeu a pena fazê-lo esperar, pensa ela, hipnotizada pelos seus olhos fixos.

crónica de Tiago Rebelo conto história de amor
Ver comentários