Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
8

Vanessa Fidalgo

Noite de Halloween

"Violeta virou-lhes as costas entediada. Havia de divertir-se. E muito! Mas seria à sua maneira..."

Vanessa Fidalgo 30 de Outubro de 2016 às 01:45

– Este ano, desculpem lá qualquer coisinha, mas eu vou de gata!

– Ó Tânia, mas a ideia é ser assustador, não sexy!

– Por isso mesmo! É um excelente dia para caçar um vampiro! – respondeu numa gargalhada pérfida.

Só Violeta se mantinha à parte. Exasperava-se a matutar no motivo que fazia os comuns mortais desdenharem tanto do Halloween. O que percebiam eles do mundo dos mortos? A maioria nem sequer percebia nada do mundo dos vivos...

As amigas pouco lhe ligavam. Para quê? Passava o tempo quase todo calada e de mau humor. Como era muito pálida e magra, os rapazes também não lhe ligavam. Era assim uma espécie de patinho feio do grupo, com quem se davam apenas por piedade. Ou interesse. Como era boa aluna, deixava-as copiar nos testes. E um amigo desses é sempre bom de se ter, embora tais benesses não evitassem que de vez em quando gostassem de espicaçá-la:

– Então, Violeta, queres escolher uma máscara que te assente bem? Deve haver aqui qualquer coisa que te sirva… nem que seja um fato de esqueleto! É da maneira que ninguém distingue a realidade da ficção!

Violeta virou-lhes as costas entediada. Havia de divertir-se. E muito. Mas à sua maneira…

Quando o dia 31 chegou, ficou longe de discotecas e doces. Ao soarem as doze badaladas estava reunida com os seus. Um formigueiro fininho tomou-lhe conta das gengivas quando a Lua atingiu o zénite e os caninos despontaram da carne.

Os músculos incharam debaixo das roupas negras que usava entre os da sua igualha, as unhas tornaram-se aguçadas, os olhos raiados e tingidos de vermelho. E tinha sede, muita sede. De sangue. Rugiu com os outros e quase ao mesmo tempo abriram as asas e voaram.

Onde iria este ano saciar-se? Quem seria a próxima vítima? Todos os anos tinha de haver uma, mas em abono da verdade era-lhe indiferente, desde que tivesse sangue jovem e fresco. Um pescoço que pudesse abocanhar e saciar-se num trago morno e encorpado.

Talvez começasse por Tânia, a presunçosa. E não podia haver noite mais apropriada para lhe mostrar a sua verdadeira máscara, aquela que, afinal, lhe fica tão bem...

Halloween noite das bruxas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)