Barra Cofina

Correio da Manhã

Colunistas
6
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Victor Bandarra

Antigamente é que era bom...

É pancadaria de criar bicho! Duas adolescentes, uns 13/14 anos, desancam uma terceira rapariga. Há pontapés e bofetadas, acompanhadas da linguagem mais desbragada – sua isto, sua aquilo.

Victor Bandarra 19 de Fevereiro de 2017 às 00:30

Calcula-se que há rapazola na costa. Alguém roubou o namorado a alguém. Aliás, é Dia dos Namorados, essa invenção do Norte anglo-saxão. É Dia de São Valentim, mártir cristão de quem não consta ter mantido namorada oficial.

No parque, observadores atentos, os pais desviam as atenções dos miúdos que baloiçam, apesar dos chuviscos. Ninguém se mete. Aconchegadas sob a esplanada, duas senhoras de provecta idade comentam a cena. "Antigamente não era nada disto!" E a outra: "Havia respeito!" E o "antigamente é que era bom" passa a rosário de recordações mal amanhadas – "havia menos droga; menos abortos; comia-se melhor; havia menos lixo; lia-se mais; não havia desemprego; e o respeitinho que havia! agora são estas poucas-vergonhas!" Ao fundo do jardim, a miúda agredida consegue fugir, mas é logo agarrada. A violência continua, chocante, à filme. Não sabem (ou fingem) as senhoras que antigamente (afinal, antigamente foi quando?) não havia estatísticas de desemprego, comia-se mal, faziam-se abortos clandestinos, o analfabetismo grassava e nem dinheiro havia para acumular muito lixo. E o respeito, senhoras! As mulheres casadas tinham de pedir autorização aos maridos para viajar sozinhas para o estrangeiro.

Havia respeito! Os fatos de banho das senhoras, por decreto, deviam ser de peça única e tapar devidamente os seios. E as senhoras a dar-lhe: havia respeito!

O documentário sueco ‘Helga - O Segredo da Maternidade’ (a história de um parto) passou, a custo, nos cinemas "para maiores de 21 anos". Menores dessa idade, aceitavam-se "senhoras casadas" com BI a comprovar. Perante a curiosidade/indiferença dos presentes/testemunhas, é hora de tentar separar as miúdas. E avança também um velho alto, de bengala, tremelicando de corpo e indignação. As duas agressoras hesitam perante os dois novos intervenientes. E chovem insultos – "olha-me estes cabrões destes velhos..." e por aí fora. Finalmente, mais por cansaço que por vergonha, as miúdas abandonam a presa e desandam. Ainda na esplanada, as senhoras acabam a meter conversa com o velho. "Já não há respeito! Antigamente é que era..." E o velho, remexendo o cafezinho com os devidos cuidados, voz séria e grave. "Sabem as senhoras qual era a única coisa boa do antigamente?" Silêncio. "A única coisa boa do antigamente era que eu tinha menos 40 anos e tinha resolvido isto com dois sopapos bem dados!

Victor Bandarra Ligação Direta
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)