Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Armando Esteves Pereira

As armas de Costa

Vacinas e bazuca são armas poderosas de costa, mas há erros.

Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 8 de Março de 2021 às 00:32
A pandemia não abalou o poder de António Costa, até o reforçou. O País ficou ainda mais dependente do Estado. A crise sanitária deixou um rasto de morte e destruição económica, mas o Governo tem duas armas essenciais para vencer a guerra. A vacinação revela sinais de aceleração e é possível sonhar com um verão perto do nível de imunidade de grupo. Mas é com a distribuição dos milhões da bazuca que esta crise brutal será aliviada.

No outono, há autárquicas que, após o precedente de há 20 anos , quando Guterres saiu por temer o pântano, também serão uma sondagem sobre o Governo. E esta sondagem terá leitura especial em Lisboa, onde o PSD tem um candidato forte.

As vacinas e a bazuca são armas poderosas de Costa, mas há erros que pesam. Desde a gestão atabalhoada da pandemia ao buraco da TAP há muitos pontos fracos. E não faltam casos anedóticos como as despesas da presidência da UE, sobretudo digital, mas que não poupou em vinhos, camisas, fatos e brindes. Se Costa não tiver cuidado, as armas que tem podem não ser suficientes para ficar descansado nas eleições, que serão lidas como umas primárias para as legislativas.



António Costa País Governo Estado política eleições
Ver comentários