Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
5
Piloto morre em corrida de motos no Estoril

Octávio Ribeiro

O cheiro do medo

De uma coisa podemos estar certos: Portugal não vai entrar hoje com medo.

Octávio Ribeiro(octavioribeiro@cmjornal.pt) 16 de Junho de 2014 às 00:30

As equipas de Paulo Bento podem ser mais fracas, mas nunca cheiram a medo. Podem entrar cautelosas, conservadoras, quase demasiado equilibradas, mas nunca cheiram a medo.

A equipa de Scolari, que entrou na final com a Grécia, exalava um absurdo cheiro a medo. O medo cheira-se nos rostos, nos músculos das faces, nos olhos, principalmente nos olhos, antes do início da batalha. O medo derrota.

As equipas que Queiroz lançou no Mundial passado tresandavam a medo. O medo que um líder fraco naturalmente passa aos seus.

A equipa que hoje vai entrar no estádio da cidade onde mais se exalta a universalidade portuguesa pode ser mais fraca do que o adversário, pode estar montada de forma defensiva, mas não irá entrar tolhida pelo medo.

Com Paulo Bento no banco, essa é já uma confortável certeza.

cheiro medo portugal lupa octávio ribeiro diretor correio manhã
Ver comentários