Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
6

O vírus da censura

Sem escrutínio público os cidadãos ficam mais desprotegidos.
Armando Esteves Pereira(armandoestevespereira@cmjornal.pt) 24 de Fevereiro de 2021 às 00:32

Um grupo de pessoas estimáveis lançou uma carta aberta às televisões generalistas. De boas intenções está o inferno cheio e esta iniciativa corre o risco de propagar um vírus ainda mais perigoso que o que provoca a Covid-19, o vírus da censura, que é mortal para a democracia.

"Mesmo sabendo a importância da informação sobre a pandemia não podemos aceitar o apontar incessante de culpados, os libelos acusatórios contra os responsásseis do Governo e da DGS", diz a carta.

Tenho dúvidas de que se fosse um executivo de direita a cometer os mesmos erros do atual na gestão da pandemia, se as ilustres figuras estariam preocupadas com o libelo acusatório, ou se somavam ao coro dos críticos mais ferozes.

Uma sociedade democrática e plural jamais pode deixar de escrutinar as decisões políticas.

As mais de 16 mil pessoas que já morreram são a prova de que muita coisa correu mal. Escrutinar as decisões, procurar melhores caminhos, denunciar abusos e escândalos, como a batota nas vacinas, é pugnar por uma sociedade mais justa e um Estado mais eficiente, eficaz e transparente. Todas as formas de censura são perigosas.

Covid-19 política saúde questões sociais direitos humanos censura
Ver comentários