Barra Cofina

Correio da Manhã

Opinião
8

Vamos todos empobrecer

Um dia, todos teremos de pagar as dívidas que estamos a contrair.
Carlos Rodrigues(carlosrodrigues@cmjornal.pt) 7 de Abril de 2020 às 00:31
Por muito que isso nos custe, não há solução milagrosa para a crise que aí vem. Ninguém no seu perfeito juízo poderia imaginar que se fecha um país sem que, depois, haja o correspondente sofrimento, medido em desemprego, falências, queda do nível de vida e crescentes bolsas de pobreza.

O renascimento económico será um pouco mais doloroso do que um simples acordar do pesadelo. Os cenários para a queda do PIB já apontam, nalguns casos, para uma taxa de dois dígitos, o que atiraria a riqueza nacional de volta aos níveis do século passado.

Que não haja ilusões - vamos todos empobrecer por causa desta guerra ao vírus e da paralisação generalizada da atividade. Infelizmente, os bancos portugueses não são o D. Sebastião desta história, nem têm uma varinha de condão.

Um dia, todos teremos de pagar as dívidas que, em catadupa, os decretos de emergência estão a autorizar. A pressão do Presidente Marcelo tem, por isso, um único mérito: agora, todos percebem que dependemos uns dos outros.

Se a economia morrer, também os bancos perdem a sua razão de existir. Como a finança não é feita de bons sentimentos, talvez essa seja a esperança que nos resta.
economia negócios e finanças trabalho política questões sociais pobreza
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)