Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

António Costa deixa recados à esquerda e à direita

Primeiro-ministro quer uma relação partidária estável com o PCP e o Bloco de Esquerda.
Andresa Pereira 5 de Julho de 2020 às 09:33
Socialistas reuniram a Comissão Nacional do partido pela primeira vez desde que surgiu a pandemia da Covid-19
José Luís Carneiro, dirigente do PS
Socialistas reuniram a Comissão Nacional do partido pela primeira vez desde que surgiu a pandemia da Covid-19
José Luís Carneiro, dirigente do PS
Socialistas reuniram a Comissão Nacional do partido pela primeira vez desde que surgiu a pandemia da Covid-19
José Luís Carneiro, dirigente do PS
Registada a morte de uma pessoa na faixa etária 40-49 anos e uma outra nos 60-69. Registada a morte de uma pessoa na faixa etária 40-49 anos e uma outra nos 60-69. A pesar de o Orçamento Suplementar ter sido aprovado na votação final global, o secretário-geral do PS não gostou da falta de apoio que sentiu da geringonça, com o Bloco de Esquerda a abster-se e o PCP a votar contra.

“Já todos percebemos que à esquerda e à direita todos se preparam para começar com joguinhos políticos. Alguns estão à espera de que a crise nos desgaste para a seguir às eleições autárquicas poderem pôr em causa a estabilidade. Outros vão-nos deixando sozinhos à espera que nos juntemos à direita para nos acusarem de governar à direita”, afirmou António Costa enquanto discursava na primeira Comissão Nacional do PS desde que surgiu a pandemia. 


Acusado pelos parceiros da esquerda de convergências com o PSD, o secretário-geral socialista garantiu que não vai haver um Bloco Central. “Que fique já claro: connosco não haverá Bloco Central, connosco haverá a continuidade da política que seguimos desde novembro de 2015”, rematou.

Os recados pareciam não ter fim. António Costa recusou-se ainda “a aceitar que a esquerda só se consiga entender quando está em causa saber se os salários sobem mais isto ou mais aquilo, se vamos investir mais nisto ou naquilo em qualquer medida do Estado Social, não sendo capaz de ter uma visão comum para o País”.

Socialistas marcam eleições para as distritais
A Comissão Nacional do PS ratificou este sábado por uma maioria de dois terços a proposta da direção para a realização das eleições das federações distritais do partido nos dias 17 e 18 de julho e os respetivos congressos em 12 e 13 de setembro. O anúncio foi feito pelo secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro. A Comissão Nacional também aprovou o relatório e contas de 2019 dos socialistas, que aponta para uma redução em 9,1% ou 1,2 milhões de euros da dívida do partido à banca e a fornecedores.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)