Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

De "Chicão" a Francisco Rodrigues dos Santos. Quem é o novo líder do CDS

Advogado de 31 anos abandonou o Conselho Diretivo do Sporting para se dedicar à política.
Lusa 26 de Janeiro de 2020 às 09:59
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos de olhos postos no futuro do CDS
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos de olhos postos no futuro do CDS
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos de olhos postos no futuro do CDS
Francisco Rodrigues dos Santos, que vai ser este domingo eleito líder do CDS, é advogado, era o mais jovem dos candidatos, e fez um percurso ligado à Juventude Popular (JP), de que é presidente desde 2015, e é admirador de Churchill. 

Foi notícia em 2018 quando a revista "Forbes" o considerou um dos "30 jovens mais brilhantes, inovadores e influentes da Europa" na categoria Direito e Política e entrou na lista "30 under 30", dos trinta com menos 30 anos, pelo trabalho desenvolvido enquanto líder da JP, ultrapassando os 20.000 filiados.

A moção de estratégia global de Francisco Rodrigues dos Santos ao 28.º Congresso, que termina hoje em Aveiro, obteve a maioria dos votos dos delegados, e será hoje eleito presidente da Comissão Política Nacional.

Quase dois anos passaram e Francisco Rodrigues dos Santos tem hoje 31 anos. Desde então foi candidato a deputado pelo Porto - ficou à porta de São Bento - e lançou-se numa candidatura à liderança do partido, sendo o últimop a entrar na corrida, depois de abel Matos Santos, que o apoia, João Almeida, Filipe Lobo d'Ávila e Carlos Meira.

Francisco Rodrigues dos Santos nasceu em Coimbra em 29 de setembro de 1988 e estudou no Colégio Militar, em Lisboa, antes de se formar em Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Filiou-se na JP em 2007 e no partido em 2011, era Paulo Portas presidente dos centristas. E no partido e na "jota" que começa a ser conhecido por "Chicão" e pelas suas posições conservadoras, contra a designação de casamento às uniões de pessoas do mesmo sexo, e contra a despenalização do aborto, um "dossier" que não quis "desenterrar" na campanha interna para a liderança.

Com o PSD e CDS no Governo, em coligação, trabalhou no gabinete de Mota Soares, ministro da Solidariedade e Emprego, e fez um percurso como autarca, primeiro na junta de freguesia de Carnide, em Lisboa, e depois como deputado municipal pelo CDS, para que foi eleito em 2017.

Admirador da ex-primeira-ministra britânica Margaret Thatcher e do antigo presidente norte-americano Ronald Reagan, dois políticos conservadores, no dia em que admitiu candidatar-se, em 17 de outubro de 2019, citou uma frase de outro chefe de Governo do Reino Unido, também ele conservador, Winston Churchill: "O fracasso não é eterno, o sucesso não é definitivo, o que conta é coragem para continuar."

Na história do CDS, Francisco Rodrigues dos Santos não é o mais jovem a chegar à liderança.

Esse recorde é 29 anos e foi protagonizado pelo ex-presidente Manuel Monteiro, que, numa entrevista ao Público, admitiu que simpatiza com as suas ideias e o apoiaria, se pudesse e já fosse de novo militante.

Aos delegados do 28.º congresso, depois de ter sido criticado por muitos, até pela sua juventude - "não se preocupem que com o tempo passa", iroonizou - apresentou-se como alguém em que se pode condiar: "Não adianta diabolizar-me. O partido conhece-me, estive diariamente disponível. Eu amo o meu partido. Eu sou um filho do meu partido."

"Esta é a nova direita para Portugal. Peço aos avós e aos pais que acreditem em mim como acreditam nos seus netos e filhos. Aos jovens, aos da geração acima e abaixo, acreditem no CDS em Portugal, porque Portugal precisa de nós", pediu ainda.

Há ainda outro traço na sua vida: gosta de futebol e é sportinguista. A ponto de ter sido, até dezembro, altura em que se lançou na candidatura, vogal da direção do clube, sob a presidência de Frederico Varandas.

"Uma vez que me proponho a alcançar uma posição política de elevado grau de responsabilidade nacional, entendo que a simples assunção desse objetivo poderia conflituar com o meu lugar no Sporting. Embora os Estatutos do clube permitam a legal conciliação entre as minhas atuais e possíveis futuras funções, entendo ser meu dever prevenir eventuais incompatibilidades éticas e morais, agindo em defesa da lisura e da transparência com que sempre pautei a minha conduta pública e privada", lia-se na carta dirigida ao presidente da Assembleia Geral do clube, Rogério Alves, a que Record teve acesso.

Na mesma missiva, Francisco Rodrigues dos Santos, que detinha o pelouro dos núcleos leoninos, fez um balanço da sua atividade, recordando a inauguração e oficialização de "50 novas estruturas", contabilizando, desde o início do mandato, visitas "a mais de 200 entidades diferentes".

Chicão CDS Francisco Rodrigues dos Santos CDS-PP Assunção Cristas política partidos e movimentos eleições
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)