Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
1

Governo está a preparar um programa específico de apoio ao Algarve

Região está a sofrer as consequências da quebra do turismo devido à pandemia de covid-19.
Lusa 7 de Julho de 2020 às 14:34
siza vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
siza vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
siza vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
Pedro Siza Vieira
O ministro da Economia disse esta terça-feira que o Governo está a preparar um programa específico de apoio à região do Algarve, que está a sofrer as consequências da quebra do turismo, devido à pandemia de covid-19.

"É necessário dirigir uma atenção muito especial à região do Algarve, que é extremamente dependente da atividade turística", defendeu esta manhã o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, perante os deputados da Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, na Assembleia da República.

Assim, Pedro Siza Vieira adiantou que o Governo está a preparar um programa específico de apoio à região.

De acordo com o ministro da Economia, este programa tem de ser "muito mais decidido no sentido de ajudar as empresas a sobreviver", deve dinamizar a procura interna e externa e ajudar a que o setor do turismo na região do Algarve sobreviva até ao próximo verão.

Outra das componentes do programa específico para o Algarve, disse, tem de ser também a de "mitigar o impacto muito negativo" nos rendimentos das pessoas da região.

"O turismo em toda a União Europeia é uma atividade muito relevante. A União Europeia estimava há um mês e meio que a atividade turística na União tivesse uma redução de 60%. Aquilo que estamos a viver na região do Algarve ou da Madeira, não é um problema especificamente português", sublinhou.

"A União Europeia reconhece que as regiões fortemente turísticas precisam de um apoio específico. Até podem ter sido poupadas à pandemia, mas serão devastadas do ponto de vista económico", acrescentou.

O ministro da Economia não adiantou uma data para a apresentação do programa, mas referiu que será em breve.

Portugal contabiliza pelo menos 1.620 mortos associados à covid-19 em 44.129 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 3% em 2020, arrastada por uma contração de 5,9% nos Estados Unidos, de 7,5% na zona euro e de 5,2% no Japão.

Para Portugal, a Comissão Europeia prevê que a economia recue 9,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, uma contração acima da anterior projeção de 6,8% e da estimada pelo Governo português, de 6,9%.

O Governo prevê que a economia cresça 4,3% em 2021, enquanto Bruxelas antecipa um crescimento mais otimista, de 6,0%, acima do que previa na primavera (5,8%).

A taxa de desemprego deverá subir para 9,6% este ano, e recuar para 8,7% em 2021.

Em consequência da forte recessão, o défice orçamental deverá chegar aos 6,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020 e a dívida pública aos 134,4%.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)