Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
7

Iniciativa Liberal contra nacionalização da TAP onde Estado pode "enterrar" milhões de euros

"É imoral nacionalizar a TAP, como se de uma salvação se tratasse", garantiu Cotrim Figueiredo.
Lusa 29 de Abril de 2020 às 21:47
João Cotrim de Figueiredo
João Cotrim Figueiredo
João Cotrim de Figueiredo
João Cotrim Figueiredo
João Cotrim de Figueiredo
João Cotrim Figueiredo
A Iniciativa Liberal mostrou-se esta quarta-feira contra uma possível nacionalização da TAP, que considera "uma mera obsessão ideológica", avisando que o Estado vai usar centenas de milhões de euros de impostos dos contribuintes "para enterrar" na companhia aérea.

"A Iniciativa Liberal é contra a nacionalização da TAP e considera, em reação às declarações do ministro, que 'é imoral nacionalizar a TAP, como se de uma salvação se tratasse numa altura em que tantas empresas, em tantos setores de atividade, estão em condições de enorme dificuldade e incertezas' e não seria possível, nem desejável, salvar todas elas", refere, em comunicado enviado à agência Lusa, o partido representado no parlamento pelo deputado único João Cotrim Figueiredo.

De acordo com os liberais, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, afirmou hoje, quando questionado sobre a nacionalização da TAP, que "se é o povo português que paga, é bom que seja o povo português a mandar", referindo que essa hipótese não está excluída, tendo entretanto o BE já apresentado um projeto lei que visa a nacionalização da companhia aérea.

"Os contribuintes que se preparem porque o Estado, pelas mãos do PS e o apoio de partidos estatistas, vai usar centenas de milhões dos seus impostos para enterrar na TAP, por mera obsessão ideológica e porque quiseram há 5 anos reverter a privatização da empresa", avisou João Cotrim Figueiredo.

Na perspetiva da Iniciativa Liberal, "na crise em que o país irá atravessar, existem setores e funções verdadeiramente vitais, onde é importante o papel do Estado investir, como o setor da saúde".

"Já o setor da aviação não é serviço público nem depende da existência da TAP, uma vez que existem dezenas de companhias aéreas privadas que operam num mercado concorrencial e algumas até oferecem ligações aéreas que a TAP não oferecia", refere.

Segundo os liberais, "é também um setor que irá tardar a voltar à situação pré-crise, pelo que esta nacionalização se mostra verdadeiramente injustificada".

Para o partido, "a TAP é hoje uma espécie de PPP com mau funcionamento, com gestão supostamente privada e grande parte do risco público, dado que o Estado tem agora 50% de uma companhia aérea cheia de dívida", que de acordo com as contas apresentadas pelo ministro é de 800 milhões de euros.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)