Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

Joacine Katar Moreira reage a ameaças: "Estamos todos em perigo quando a extrema-direita se sente impune"

Ameaças racistas começam pelos "bodes-expiatórios" até atingir "o coração da democracia", defende deputada não inscrita.
Lusa 14 de Agosto de 2020 às 19:53
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
Joacine Katar Moreira
A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira considerou esta sexta-feira que todos estão em perigo "quando a extrema-direita se sente impune", alertando que as ameaças racistas começam pelos "bodes-expiatórios" até atingir "o coração da democracia". 

"Estamos todas e todos em situação de perigo quando a extrema-direita se sente impune", declarou a deputada Joacine Katar Moreira, uma das visadas num 'e-mail' com ameaças enviado esta semana à associação SOS Racismo.

Numa declaração à agência Lusa, a deputada alertou que as ameaças antidemocráticas e de cariz racista "começam sempre pelos bodes-expiatórios até atingir o coração da democracia, capturando as suas instituições". 

"A História já nos provou que não podemos ser cúmplices, com o nosso silêncio, passividade e morosidade, dos ataques àqueles que constituem os alvos mais fáceis da nossa sociedade", apontou Katar Moreira. 

A deputada não-inscrita considerou ainda que luta contra o racismo "exige posicionamentos políticos inequívocos em defesa dos Direitos Humanos" por parte dos dirigentes e representantes políticos e de toda a sociedade.

Salientando ser alvo deste tipo de ameaças e tentativas de intimidação desde a sua eleição em 2019, Joacine considera que ainda há tempo para "lutar por uma sociedade mais justa, mais igualitária, que reforce -- e não fira de morte -- os valores democráticos".

"Foi para isso que fui eleita e é este o meu compromisso político, imune a quaisquer ameaças ou condicionamentos", vincou. 

Joacine deixou um apelo ao governo para que "seja célere" na adoção das iniciativas legislativas aprovadas na última sessão legislativa de combate ao racismo -- da autoria da deputada, do BE e do PS. 

"Mais do que nunca precisamos de sinais concretos de que temos o Estado do nosso lado no combate contra tudo o que não dignifique a democracia e não contribua para o ambiente de justiça social", apelou.

Nos últimos dias, três deputadas e sete ativistas foram alvo de ameaças por uma autoproclamada "Nova Ordem de Avis -- Resistência Nacional", que reivindicou também uma ação junto à associação SOS Racismo, levando o Governo a condenar estas ações como "uma ameaça à própria democracia" que deve indignar "todos os democratas".

As deputadas do Bloco de Esquerda visadas no 'email' são Beatriz Gomes Dias e Mariana Mortágua, mas a deputada não inscrita (ex-Livre) Joacine Katar Moreira também é visada, tal como o dirigente do SOS Racismo Mamadou Ba e Jonathan Costa, da Frente Unitária Anti-Fascista, entre 10 cidadãos.

O Ministério Público instaurou um inquérito-crime ao assunto, um dia depois de o dirigente da SOS Racismo Mamadou Ba ter prestado declarações na Polícia Judiciária. e ter confirmado a receção, juntamente com mais nove pessoas, de uma mensagem de correio eletrónico a estipular o prazo de 48 horas para abandonar o país.

 

SOS Racismo Joacine Katar Moreira Racismo Mamadou questões sociais partidos e movimentos direitos humanos morte
Ver comentários