Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

André Ventura quer falar com Vox e promete concorrência a Marcelo

Líder do partido Chega mostrou-se confiante na eleição de deputados ao parlamento em outubro.
30 de Junho de 2019 às 14:48
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
André Ventura
O presidente do Chega anunciou este domingo conversações para breve com o partido espanhol de extrema-direita Vox e prometeu que a sua força política vai ter um candidato nas eleições presidenciais de janeiro de 2021, criticando Marcelo Rebelo de Sousa.

"O Vox aceitou reunir connosco ainda durante próximo mês de julho. Vamos fazê-lo porque não cedemos ao politicamente correto. Dizem que é direita franquista, extrema-direita. Notamos no Vox a coerência e a firmeza dos valores, que não negoceia nem vende, não cede naquilo em que acredita. Por isso, vamos aceitar esse encontro e estaremos lá em peso para dizer que Portugal também quer ter o seu Vox", afirmou André Ventura.

O advogado discursou 47 minutos perante cerca de 100 pessoas, no segundo e último dia da Convenção Nacional fundadora do seu partido, no auditório do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, em Algés, Oeiras, onde se elegeram os primeiros órgãos sociais desta força política, apresentados em lista única.

"Quero dar-vos esta novidade. Não vamos só participar nas eleições da Madeira e nas eleições gerais de outubro. Nós vamos ter uma candidatura à Presidência da República. Não é que não gostemos de pessoas que nadam no rio ou tomam banho pela manhã ou gostem de andar em todo o lado a qualquer e mínimo acontecimento, nem temos nada contra quem liga para o programa da Cristina", disse, referindo-se ao atual chefe de Estado e à sua postura habitual.

"Dizem-me que Marcelo Rebelo de Sousa é imbatível, que a popularidade que tem é inatingível. Não sei se é ou não. Veremos em janeiro de 2021. Há uma coisa que vos garanto, enquanto for presidente deste partido, nunca apoiaremos aqueles que em vez de estarem ao lado da esquadra da polícia estão a tirar 'selfies' com bandidos", continuou, lembrando o episódio do Presidente da República com um jovem do bairro Jamaica, após confrontos com a PSP.

André Ventura sublinhou que, "com o Chega, não haverá alianças nem coligações ao centro", pois o partido vale por si próprio, rejeitando possíveis futuros entendimentos parlamentares com os partidos tradicionalmente com assento na Assembleia da República.

O líder partidário mostrou-se confiante na eleição de deputados ao parlamento em outubro, citando por exemplo o número de votos conseguido nas recentes eleições europeias no distrito de Lisboa e prometeu que "vai ouvir-se o grito 'Chega!' na Assembleia da República, desejando "o fim do sistema" e da "III República".

"A ideia de segurar quem cometeu, comete ou é suspeito de atos contra o dinheiro do Estado não á sustentável. Vamos ainda mais longe do que aqueles que só falam. Mal entremos no parlamento, vamos propor que qualquer português condenado por corrupção nunca mais possa exercer funções públicas. Nunca mais", vincou.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)