Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
6

Marcelo quer "precauções bem explicadas" e rejeita "separar velhos e novos" no combate ao coronavírus

Presidente da República considerou que este momento exige unidade.
Lusa 25 de Abril de 2020 às 14:34
Celebração do 25 de Abril no Parlamento
Celebração do 25 de Abril no Parlamento FOTO: Pedro Catarino
O Presidente da República defendeu hoje que no combate à propagação da covid-19 é preciso "conjugar aberturas amadurecidas com precauções bem explicadas e bem compreendidas" e rejeitou uma vez mais "o simplismo de separar velhos e novos".

No seu discurso na sessão solene comemorativa do 46.º aniversário do 25 de Abril, na Assembleia da República, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que este momento exige unidade e prometeu que os mortos pela covid-19 "hão de merecer no fim desta privação uma homenagem coletiva daqueles que não puderam prestar a sua homenagem pessoal".

O chefe de Estado afirmou também que haverá que "retirar, a seu tempo, as lições" desta crise de saúde pública, que no seu entender mostrou "as fragilidades, as desigualdades, as clivagens" do tecido social português e "as debilidades, as carências, as descoordenações, a rigidez, a lentidão" em várias instituições - "em demasiadas", observou, sem dar exemplos.

Haverá que tirar lições igualmente dos "exemplos de criatividade, de versatilidade digital, de excelência na pesquisa biomédica" e "de generoso voluntariado, de ilimitada solidariedade, de permanente maturidade cívica, de inimaginável resistência" dos portugueses, completou.

"Esta hora impõe-nos unidade. Unidade que não é nem unicidade nem unanimismo. Mas unidade entre os portugueses, que o têm lembrado no seu dia a dia, e unidade entre os responsáveis políticos, uma convergência que tem sido decisiva para Portugal", declarou o Presidente da República.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "a crise económica e social" resultante da pandemia de covid-19 vai fazer-se sentir "durante anos" e agora é preciso "conjugar aberturas amadurecidas com precauções bem explicadas e bem compreendidas que há a conjugar" e "acorrer aos desempregados, aos que estão em risco de o ser, às famílias aflitas, às empresas estranguladas".

"Temos de continuar a resistir ao desgaste, à fadiga, à lassidão, temos de manter a máxima convergência possível, temos de não ceder ao simplismo de separar velhos e novos, metropolitanos, urbanos e rurais, regiões autónomas, sem embargo da sua autonomia específica, Porto, Norte, Centro, Alentejo, Algarve e Lisboa. E também não cair na tentação fácil de discriminar ideias, correntes de opinião ou pessoas, como se o 25 de Abril fosse só de uma parte de Portugal", acrescentou.

Advertindo que "o caminho a fazer ainda é longo, difícil e imprevisível", o Presidente da República apelou a "uma Europa lúcida, solidária, empenhada e rápida a agir" e a que se ultrapassem "egoísmos, unilateralismos, visões fechadas do mundo e da vida". Citando o papa Francisco, pediu também para não se "imolar quem fica para trás no altar do progresso".

Neste discurso do 25 de Abril, o último do seu mandato de cinco anos, que termina em março de 2021, Marcelo Rebelo de Sousa argumentou que é fundamental assinalar esta data histórica e que no atual contexto de confinamento devido à pandemia de covid-19 "evocar Abril" é falar dos desafios deste tempo.

"É testemunhar gratidão sem fim aos que salvaram, salvam e salvarão vidas e por isso deverão ser permanentemente acarinhados, agora e sempre, e os que ajudaram a salvar e a manter o básico na nossa sociedade, civis, Forças Armadas e forças de segurança", disse.

A meio da sua intervenção, Marcelo Rebelo de Sousa saudou "de modo especial o Presidente António Ramalho Eanes", o seu único antecessor presente nesta sessão solene, "primeiro Presidente da República democraticamente eleito em Portugal, símbolo, também ele, do espírito de unidade deste nosso encontro cívico".

O chefe de Estado destacou também a presença nesta cerimónia de um representante dos capitães de Abril e de dois antigos deputados constituintes - o próprio Marcelo Rebelo de Sousa e o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

Além disso, recordou que nesta sessão solene já não está nenhum dos "quatro principais fundadores partidários do constitucionalismo pós-Abril", Francisco Sá Carneiro, Álvaro Cunhal, Mário Soares e Diogo Freitas do Amaral, que morreu em outubro do ano passado.

"E agora, senhor presidente [da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues], senhoras e senhores deputados portugueses, vamos ao essencial, vamos vencer as crises que temos de vencer", exclamou Marcelo Rebelo de Sousa, no final da sua intervenção, que foi aplaudida de pé por PS, PSD e CDS-PP, recebendo alguns aplausos de deputados do PCP e do BE, sentados.

A pandemia de covid-19 atingiu 193 países e territórios, registando-se cerca de 200 mil mortos, quase 2,8 milhões pessoas infetadas e mais de 736 mil doentes considerados curados a nível global.

Em Portugal, morreram 880 pessoas num total de 23.392 confirmadas como infetadas, e há 1.228 casos recuperados, segundo o último balanço da Direção-Geral da Saúde.

A doença é provocada por um novo coronavírus detetado no final de dezembro em Wuhan, uma cidade do centro da China.

No início deste mês, o Presidente da República já tinha condenado a ideia de se isolar idosos e doentes mais vulneráveis à covid-19, deixando o resto da sociedade levar uma vida normal, considerando que Portugal tem resistido, e bem, a essa posição.

"Se pensássemos assim estaríamos a criar guetos, no fundo, xenofobias involuntárias. E é irrealista. Os idosos de que falamos são quase um terço da nossa população. E se somarmos os doentes mais vulneráveis estamos perto de 40%", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, numa declaração transmitida no programa da RTP Prós e Contras.

Marcelo Rebelo de Sousa Francisco Sá Carneiro Portugal Assembleia da República política
Ver comentários