Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
3

"Morreu um grande, um dos maiores do PSD": Paulo Rangel lamenta morte de Pulido Valente

"A minha admiração era mais do que fascínio intelectual", diz o eurodeputado social-democrata.
Lusa 21 de Fevereiro de 2020 às 18:06
Paulo Rangel
Vasco Pulido Valente
Paulo Rangel
Vasco Pulido Valente
Paulo Rangel
Vasco Pulido Valente
O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel lamentou esta sexta-feira a morte de "um dos maiores do PSD", Vasco Pulido Valente, confessando que a sua admiração pelo historiador era "um verdadeiro culto".

"A minha admiração por Vasco Pulido Valente era mais do que fascínio intelectual. Era um verdadeiro culto. Culto à inteligência, culto ao humor e ironia, culto à língua portuguesa", escreveu Paulo Rangel na sua conta na rede social Twitter.

O eurodeputado social-democrata considerou ainda que "morreu um grande, um dos maiores do PSD" e que "não havia quem escrevesse tão bem português" como Vasco Pulido Valente.

O historiador, ensaísta e comentador político português Vasco Pulido Valente morreu esta sexta-feira, em Lisboa, aos 79 anos, disse à agência Lusa fonte da editora D.Quixote.

Vasco Pulido Valente, de nome Vasco Valente Correia Guedes, nasceu em 1941, licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e doutorou-se em História pela Universidade de Oxford.

Trabalhou como investigador-coordenador do Instituto de Ciências Sociais e lecionou no ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa, na Universidade Católica e na Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa.

Foi colunista dos jornais Público, Expresso, Diário de Notícias, A Tarde e O Independente.

Trabalhou ainda como comentador da TSF, da Rádio Comercial e da TVI.

Entre os livros que publicou, contam-se "Os Militares e a Política: 1820-1856", "A República Velha: 1910-1917", "Marcelo Caetano: As Desventuras da Razão", "De mal a pior" e "O fundo da gaveta", estes dois últimos, os mais recentes, publicados pela D. Quixote.

Uma crónica sua, no Público, sobre o estado do PS, no verão de 2014, intitulada "A Geringonça", viria a estar na origem da caraterização feita mais tarde por Paulo Portas sobre os acordos entre PS, Bloco de Esquerda e PCP, que viriam a sustentar a constituição do XXI Governo Constitucional.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)