Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
9

Mulher cigana pede a André Ventura para "deixar de ser racista" com os ciganos em arruada em Braga

Líder do Chega insistiu que não é racista e que o que o partido quer é "que os ciganos trabalhem" como "todos os outros".
Lusa 22 de Janeiro de 2022 às 19:24
André Ventura em campanha
André Ventura em campanha FOTO: José Coelho / Lusa
A arruada do Chega em Braga foi interrompida por uma mulher cigana que pediu a Ventura para "deixar de ser racista", com o líder do Chega a alegar que "muitos ciganos" não trabalham, apesar de estudos apontarem no sentido contrário.

"Não pode ser racista para os ciganos, que somos seres humanos como os outros. Todos trabalhamos", disse Fátima Romero, que decidiu furar a comitiva do Chega, com algumas dezenas de pessoas, para confrontar André Ventura.

O líder do Chega insistiu que não é racista e que o que o seu partido quer é "que os ciganos trabalhem" como "todos os outros".

"Mas nós trabalhamos. A sua etnia também tem uns que trabalham e outros que não trabalham", respondeu a mulher, de 58 anos.

"Sabe que isso não é verdade", contrapôs André Ventura, insistindo que "há muitos ciganos que não trabalham", apesar de um estudo de 2015 encomendado pelo Alto Comissariado para as Migrações concluir que a maioria das pessoas daquela etnia trabalha e de um relatório do Instituto da Segurança Social de 2008 referir que apenas 3,9% das famílias beneficiárias de Rendimento Social de Inserção (RSI) à época eram de etnia cigana.

"O cigano é um ser humano como outro qualquer. Há ciganos doutores, há ciganos médicos, há ciganos a trabalharem como assistentes sociais", retorquiu Fátima, salientando que estes também pagam impostos e cumprem as regras.

Aos jornalistas, Fátima disse que decidiu confrontar Ventura para que este "não fosse tão racista".

"Há muito cigano que põe os seus impostos. Um feirante tem que pagar impostos, tem que pagar à Segurança Social. Todos temos que pagar", vincou.

Questionada sobre se recebe RSI, referiu que não recebe, mas que se recebesse "era como todos os outros".

"Quantos ciganos recebem? As outras pessoas também recebem. Às vezes, vou aos correios e vejo mais pessoas da vossa etnia a receber o RSI do que da nossa. O que não queremos é ser discriminados. Queremos alugar uma casa e não nos alugam porque somos ciganos. Pedimos emprego e recusam porque somos ciganos. Temos que ter os direitos que outra pessoa qualquer tem. O racismo tem que acabar", frisou.

No final, disse que vai votar e que já está bem esclarecida sobre para quem vai o seu voto: "no senhor António Costa".

André Ventura Braga Chega Fátima minorias política racismo direitos humanos
Ver comentários