Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
2

"Não porei a minha assinatura em nenhum acordo escrito com o Chega", salienta líder do CDS

Francisco Rodrigues dos Santos considerou que cabe ao Chega decidir se contribui para viabilizar um Governo PSD/CDS no parlamento.
Lusa 23 de Janeiro de 2022 às 19:20
Francisco Rodrigues dos Santos
Francisco Rodrigues dos Santos FOTO: Lusa
O presidente do CDS-PP salientou este domingo que não assinará "nenhum acordo escrito" com o Chega, e considerou que cabe ao partido de André Ventura decidir se contribui para viabilizar um Governo PSD/CDS no parlamento.

"Da minha parte pode ter uma garantia, não porei a minha assinatura em nenhum acordo escrito com o partido Chega", afirmou Francisco Rodrigues dos Santos.

O líder centrista falava em Matosinhos, distrito do Porto, à margem de uma reunião com a Associação Nacional de Restaurantes Pro.Var, integrada na campanha para as eleições legislativas do próximo domingo.

Rodrigues dos Santos defendeu que "cabe ao partido Chega, se PSD e CDS chegarem a formar uma solução de Governo, decidir se passa essa solução na Assembleia da República ou permite ao Governo de António Costa continuar a governar".

E salientou que "o CDS não existe para tirar espaço ao Chega, o CDS existe para afirmar os valores de uma direita social que se reconhece nos valores da democracia cristã e que não negoceia valores de sempre e razões que foram fundacionais da democracia".

"Os votos que tivermos serão sempre votos fiéis aos nossos valores. Nós não os trocamos em nome de votos e em nome de modas", garantiu Rodrigues dos Santos.

E disse estar "muito confortável a defender as mesmas razões de sempre, que fizeram com que o CDS sempre fosse a casa de todos os democratas de direita popular e sensata e reformista no país".

Na ocasião, o presidente do CDS-PP foi questionado também sobre o facto de as sondagens anteciparem um mínimo histórico para o partido e voltou a desvalorizar.

"É um barómetro para quem quer acreditar no barómetro, eu não acredito nele até porque nas eleições autárquicas se provou que esses barómetros falharam largamente, basta ver o caso de Lisboa", afirmou.

Admitindo que as sondagens "condicionem o voto" dos eleitores, Francisco Rodrigues dos Santos apontou que a sua função nesta campanha eleitoral "é dizer aos portugueses que todos os dias" sente "nas ruas que essas sondagens são contrariadas".

E considerou que, se o apoio dos portugueses "for traduzido em votos, o CDS vai ser de facto um partido que vai surpreender".

"Eu vou continuar com a mesma tranquilidade, com o mesmo à-vontade e com o mesmo desprendimento a apresentar soluções e os compromissos eleitorais do meu partido e a defender os valores de sempre do CDS", garantiu, referindo que no próximo domingo "os portugueses irão dar o seu veredicto".

E defendeu que "muitas vezes vaticinaram a morte" do partido, "mas o CDS sempre soube afirmar-se em urnas com os votos dos portugueses".

Francisco Rodrigues dos Santos CDS Chega André Ventura eleições legislativas PSD acordo política
Ver comentários