Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
8

Novo líder do PSD escolhido na segunda volta

Rui Rio foi o vencedor da noite, com 48,25%, mas não conseguiu escapar a nova disputa eleitoral, dia 18 de Janeiro.
Janete Frazão e João Maltez 12 de Janeiro de 2020 às 01:30
Rui Rio à chegada ao hotel Sheraton, no Porto
Rui Rio, atual presidente e candidato à presidência do PSD, vota no Porto
Luís Montenegro votou em Espinho
Luís Montenegro votou em Espinho
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Alberto João Jardim
Rui Rio à chegada ao hotel Sheraton, no Porto
Rui Rio, atual presidente e candidato à presidência do PSD, vota no Porto
Luís Montenegro votou em Espinho
Luís Montenegro votou em Espinho
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Alberto João Jardim
Rui Rio à chegada ao hotel Sheraton, no Porto
Rui Rio, atual presidente e candidato à presidência do PSD, vota no Porto
Luís Montenegro votou em Espinho
Luís Montenegro votou em Espinho
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Miguel Pinto Luz votou em Cascais
Alberto João Jardim
Rui Rio e Luís Montenegro vão disputar uma segunda volta das diretas do PSD e um deles tornar-se-á o próximo presidente do partido.

Ainda sem saber se a votação na Madeira contará ou não, na sequência da impugnação anunciada pelo histórico Alberto João Jardim, o escrutínio fechou com o atual líder social-democrata a somar 48,25% dos votos (16 086), Luís Montenegro 40,12% (13 374) e Miguel Pinto Luz 11,63% (3878). A segunda volta das eleições diretas está agendada para o próximo dia 18 de janeiro.

Até à hora de fecho desta edição, quer Rui Rio quer Luís Montenegro ainda não tinham reagido à votação que os militantes lhes atribuíram e que levam a uma segunda ida às urnas.

Quanto à ‘entourage’ política de Miguel Pinto Luz cedo assumiu a derrota nesta eleição direta, através de Nuno Freitas, porta-voz da candidatura. Mas seria o próprio candidato o primeiro dos três a reagir aos resultados.

Assumindo a derrota, fez questão de adiantar que conseguiu arrecadar 12% dos votos e afirmou-se como uma referência do partido para o futuro. "É com a força das nossas ideias que o PSD voltará a liderar o País", afirmou.

Importa referir que Miguel Pinto Luz conseguiu, ainda assim, sair vencedor num dos círculos com maior número de militantes inscritos, concretamente Lisboa, onde obteve 1591 votos, contra 1362 de Luís Montenegro e 1186 de Rio, um resultado de algum modo já esperado.

Já quanto ao Porto, a vitória, também expectável, foi do antigo autarca da cidade Invicta, que conseguiu sair triunfal por larga margem, ao obter 3592 votos, contra 2186 de Luís Montenegro e 291 de Miguel Pinto Luz.

No bastião do ex-líder parlamentar do PSD, o distrito de Aveiro, foi também Rui Rio quem acabou por vencer, tendo perdido para Montenegro, mas por poucos votos, no distrito de Braga. Ou seja, ganhou duas das quatro maiores estruturas distritais do PSD e foi derrotado por cada um dos seus adversários nas restantes duas.

Na Madeira, onde os cadernos eleitorais não foram reconhecidos como válidos pela estrutura nacional do partido e ocorreu uma impugnação, Miguel Pinto Luz conseguiu obter 863 votos, contra 544 de Rio e 275 de Montenegro.

Pormenores
Segunda volta inevitável
Caso os votos na Madeira fossem desconsiderados, devido à impugnação da votação na região autónoma, Rui Rio conseguiria 49,46% dos votos, contra 41,26% de Luís Montenegro.

Ainda assim, tais percentagens não impediriam que fosse necessária a realização de uma segunda volta, já que o atual líder do partido não conseguiria chegar a ultrapassar os necessários 50% dos votos.

Jardim impugna eleições por polémica com quotas
Caso histórico do partido diz que há "organizações estranhas" a interferir no PSD/Madeira
Alberto João Jardim, histórico do PSD, anunciou este sábado que impugnou as diretas do partido. "Já está na mesa de Santa Luzia e vou neste momento já impugnar as eleições para Lisboa.

Acho isto um episódio lamentável porque o PSD aqui está a dar um ar perante o País de continuar-se no tempo das chapeladas e da Francisquinha que paga 200 quotas a um. Isto não é um partido assim", argumentou.

Jardim referia-se à polémica das quotas, em que o PSD/Madeira insiste que estão aptos a votar 2500 militantes, apesar de a secretaria-geral do partido contabilizar pouco mais de cem com quotas pagas à luz do novo regulamento, aprovado em julho de 2019.

A divergência entre a estrutura regional e nacional está no modo de pagamento das quotas, que deve permitir a identificação do militante, sendo que a maioria na Madeira paga as quotas na própria sede, em numerário.

Jardim considerou que há "organizações estranhas" a "interferir na vida do PSD/Madeira" e diz que alguns militantes "foram enganados".

"O caderno eleitoral que está aqui [Madeira] a servir de base é ilegal", acrescentou o mandatário regional da candidatura de Rui Rio.

Menos cerca de 30 mil militantes válidos
De acordo com a secretaria-geral do PSD, há atualmente 40 584 militantes com quota válida, quando em 2018 eram 70 692. Nas últimas eleições votaram 42 655, cerca de 60% do total.

Rio derrotou santana nas diretas de 2018
As últimas eleições diretas no PSD tinham-se realizado a 13 de janeiro de 2018 e resultaram na eleição de Rui Rio, que derrotou Pedro Santana Lopes com 54,15% dos votos (22 728).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)