Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

PPE lança processo para escolha de candidato a presidente do Parlamento Europeu

Partido Popular Europeu reivindicou presidência da assembleia na segunda metade da legislatura.
Lusa 8 de Setembro de 2021 às 11:51
Parlamento Europeu
Parlamento Europeu FOTO: EPA
O Partido Popular Europeu (PPE) lançou esta quarta-feira o processo interno para a escolha do seu candidato a presidente do Parlamento Europeu, cargo que reclama na segunda metade da legislatura, no quadro de um acordo em 2019 entre os três maiores grupos da assembleia.

Também esta quarta-feira , o presidente da bancada parlamentar do PPE, Manfred Weber, anunciou que não é candidato a presidente do Parlamento Europeu, mas sim à presidência do partido, cargo que vai ficar vago dado Donald Tusk ter decidido regressar à cena política polaca, dando ainda conta da sua intenção de se recandidatar a líder do grupo na assembleia.

Numa resolução adotada esta quarta-feira, o grupo do PPE, o maior do Parlamento Europeu e que integra as delegações de PSD e CDS-PP, reafirmou a sua intenção de ocupar a presidência da assembleia a partir de janeiro de 2022, recordando o "acordo político que foi alcançado entre os grupos do PPE, do S&D [Socialistas e Democratas] e do «Renew» [Liberais] em 03 de julho de 2019", no seguimento das eleições europeias celebradas em maio desse ano.

Esse acordo, sublinha a resolução desta quarta-feira, contemplava "o compromisso claro" de os três maiores grupos do parlamento elegerem o candidato dos socialistas europeus para presidente do Parlamento para a primeira metade da legislatura de cinco anos -- o que sucedeu, com a eleição do italiano David Sassoli -- e o candidato do PPE para a segunda metade, uma prática já antiga.

"Tendo em conta o espírito de cooperação leal com que este acordo foi honrado para a primeira metade da legislatura", o PPE reivindica então a presidência da assembleia na segunda metade da legislatura, entre janeiro de 2022 e até às eleições de 2024, exortando os grupos S&D e «Renew» a respeitarem o compromisso político entre as três forças em julho de 2019.

O PPE dá ainda conta de concluir o processo de nomeação do seu candidato "o mais tardar em novembro" próximo.

Aquele que seria o candidato mais óbvio do grupo à presidência, o seu líder parlamentar, Manfred Weber, afastou-se esta quarta-feira da 'corrida', ao anunciar, na sua conta oficial na rede social Twitter, que pretende suceder a Tusk na presidência do próprio partido, assim como recandidatar-se a líder da bancada do PPE.

"A minha ambição é ser reeleito presidente do grupo PPE. O meu trabalho no grupo PPE ainda não está terminado. A nossa missão de reanimar a democracia cristã e os partidos de centro-direita na Europa ainda não terminou. Consequentemente, não me candidatarei a presidente do Parlamento Europeu", justificou.

Quanto à ambição de ser presidente do PPE, sublinha que todos no grupo "apoiam e admiram" a decisão de Donald Tusk, antigo presidente do Conselho Europeu, de "regressar à Polónia e lutar por um futuro melhor para o seu país" e assume que "seria uma grande honra suceder-lhe e continuar a construir um partido mais unido e bem sucedido rumo às próximas eleições de 2024".

A confirmar-se a eleição do candidato do PPE para a presidência do Parlamento Europeu a partir de janeiro do próximo ano, o partido passará então a acumular as presidências da assembleia e da Comissão Europeia (Ursula von der Leyen), sendo que o Conselho Europeu 'pertence' aos liberais (Charles Michel), o que significa que, entre os chamados cargos de topo institucionais da UE, os socialistas europeus só manteriam o de Alto Representante para a Política Externa (Josep Borrell).

Ver comentários
}