Barra Cofina

Correio da Manhã

Política
5

Rio diz “olhe que não” de Álvaro Cunhal a Catarina Martins

Bloco acusa PSD de querer reduzir pessoal no SNS como no passado, se ganhar as eleições.
Salomé Pinto 16 de Setembro de 2019 às 08:14
Rui Rio
Rui Rio
Catarina Martins
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
Rui Rio
Rui Rio
Catarina Martins
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
Rui Rio
Rui Rio
Catarina Martins
Catarina Martins, líder do Bloco de Esquerda
O debate de domingo entre o presidente do PSD, Rui Rio, e a coordenadora do BE, Catarina Martins, que se realizou na TVI, remeteu para alguns episódios do confronto de 6 de novembro de 1975 entre o então secretário-geral do PS, Mário Soares, e o histórico líder comunista Álvaro Cunhal. Rio usou a célebre expressão "olhe que não" do antigo secretário-geral do PCP para responder a uma acusação de Catarina Martins.

Os protagonistas, os temas e as épocas são totalmente diferentes. O duelo de 1975 realizou-se em vésperas do golpe militar que, por ter fracassado, levou ao fim do Período Revolucionário em Curso (PREC) dominado pelo PCP. Nesse frente a frente, Soares acusou o PCP de querer instituir uma ditadura em Portugal, ao que Cunhal respondeu "olhe que não, olhe que não".

Rio usou a famosa expressão quando a líder bloquista acusou o PSD de "querer continuar a reduzir o pessoal do SNS se ganhar as eleições, como no passado".

O líder social-democrata por uma vez encarnou Cunhal mas por outra acusou o programa do BE de ser "uma coisa tipo PREC de 1975", quando Catarina Martins propôs "o controlo público dos CTT e de uma parte da REN".

A líder do BE tinha um último trunfo: "Acho muito estranho que alguém peça o voto e depois não queira fazer o seu trabalho." Rio disse que, acima de tudo é "sincero", ao dizer que não quer ser deputado e que não é "politicamente correto".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)